Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Sermão II - Maria Rosa Mística, de Padre António Vieira

Sermão II - Maria Rosa Mística, de Padre António Vieira

Edição de base:

Sermões Escolhidos - vol. II, Edameris : São Paulo, 1965.

Extollens vocem quaedam mulier (1).

§ I

Continuação do primeiro discurso. O não caber é argumento da grandeza das coisas. As duplas visões de José e Daniel

demonstram que Deus, no fazer, obra segundo as medidas da sua onipotência, e no mostrar, segundo a capacidade da nossa

vista. As coisas em excesso grandes nem em Atenas se podem ouvir bastantemente de uma só vez. O Rosário e o altar do

Deus desconhecido.

Bem temia eu -- como logo disse -- que as primeiras excelências do Rosário, ou o alto e altíssimo dele, enquanto oração

vocal, me não havia de caber em um só discurso. Mas nem por isso a faz menos nobre a necessidade de outro. O não caber

é argumento da grandeza das coisas: assim sucede às notavelmente grandes. Aquela máquina grega, portanto da indústria do

nosso Ulisses, porque não cabia pelas portas de Tróia, foi necessário que se lhe rompessem os muros. O mesmo Cristo,

quando entrou pelo céu como homem, coube pelas portas: Attollite portas, principes, vestras (2) -- mas quando desceu

como Deus, foi necessário que os céus se rompessem: Utinam dirumperes caelos, et descenderes (3). Coube pelas portas

enquanto homem; enquanto Deus não coube. Não fora a Arca do Testamento figura da Mãe de Deus se coubera no

Tabernáculo de Moisés: por isso acrescentou Deus à primeira idéia a segunda, e mandou edificar o Templo de Salomão.

Acolá estava estreitada a sua grandeza, aqui dignamente ostentosa a sua majestade.

Mas, se ambas as idéias eram de Deus, por que foi necessário acrescentar a segunda sobre a primeira? Porque até o

entendimento e a mão divina o faz assim nas grandes obras suas. Mostrou Deus a José as grandes fortunas para que o tinha

destinado, e não em um só desenho, senão em dois : um na eira, outro no firmamento (Gen. 37, 7. 9). A primeira vez adorado

nas paveias, que ele atava com os irmãos; a segunda, no sol, na lua e nas estrelas, que igualmente o adoravam. A grandeza

do império de seu filho, mostrada já sobre a estátua dos quatro metais, também a tornou a mostrar Deus segunda vez nas

quatro feras ou monstros que representavam as quatro monarquias do mundo (Dan. 2, 29; 7, 3). Pois, se o mesmo mundo o

criou Deus, e fez de uma vez estoutras obras suas, por que as não mostra em uma só visão ou figura, senão em duas? Porque

no fazer obra Deus segundo as medidas dá sua onipotência; no mostrar e dar a conhecer, segundo a capacidade da nossa

vista. Porque nós não somos capazes de ver tudo de uma vez, supre Deus na segunda idéia o que faltou na primeira. Na

primeira adoração de José mostrou a baixa condição dos adoradores; na segunda, a alteza e lustre do adorado. No primeiro

abatimento dos quatro metais da estátua mostrou a riqueza de umas monarquias e a fortaleza das outras; no segundo, dos

quatro monstros, não mortos como os metais, senão vivos e feros, na vida mostrou-lhes a duração, e na fereza a tirania.

Parece-me, senhores, que me tenho declarado. Para não caberem as excelências do Rosário vocal em um só discurso

bastava a insuficiência do pregador; mas não foi essa a principal causa, senão a eminência da matéria e sua grandeza.

Quando o príncipe dos pregadores, S. Paulo, debaixo do nome de Deus desconhecido que os atenienses adoravam, lhes deu

a conhecer a divindade e humanidade do Deus verdadeiro, disseram no Areópago aqueles que eram reputados pelos mais

sábios homens do mundo: Audiemus te de hoc iterum (At 17, 32): Outra vez vos ouviremos sobre isto mesmo. -- E como

as coisas com excesso grandes nem em Atenas se podem ouvir bastantemente de uma só vez, outra vez também me haveis

de ouvir sobre o mesmo ponto, que não será em tudo dessemelhante ao de S. Paulo. Aquela devoção dos atenienses era tão

comum e tão vulgar que o mesmo Apóstolo lhes disse que, passando por uma rua da sua cidade, vira o altar do Deus

desconhecido com o título por cima: Ignoto Deo (Ibid 23). Tão comum e tão vulgar é entre nós o Rosário! Mas hoje

acabaremos de ver que não está ainda bem conhecido na nossa Atenas, e que lhe quadra em grande parte -- posto que s eja

tão divino -- o título de ignoto: Ave Maria.

§ II

O que diz o Rosário e o modo com que se diz. Importância do modo de dizer na promessa de Cristo aos apóstolos. As

dificuldades do modo de dizer nos louvores e nas petições. Argumento: os excessos e defeitos das petições e louvores do

Rosário.

Extollens vocem.

Na oração vocal do Rosário, ou no Rosário enquanto oração vocal, consideramos, se bem nos lembra, a alteza de sua

perfeição, já por parte das petições que nela fazemos, já por parte das majestades a que as presentamos, já por parte da

intercessão de que nos valemos; e nestas três considerações, em que toda se compreende, a mostramos, não só alta, senão

altissimamente levantada: Extollens vocem. E esta alteza altíssima pode-se ainda altear, e tem mais por onde subir? Sim.

Porque no discurso passado ponderamos só o que diz o Rosário; hoje havemos de examinar o modo com que o diz.

Consummatae sapientiae est, quid quo insequaris modo: A sabedoria perfeita e consumada -- diz Santo Agostinho -- não

só consiste nas coisas que se dizem, senão no modo com que se dizem: não só no quid, senão no quomodo (4). -- Este foi

um dos maiores privilégios -- se não foi o maior -- que Cristo concedeu aos seus apóstolos. Quando fordes levados a juízo,

diante dos príncipes e tribunais do mundo, em defensa da minha fé e da vossa doutrina, não nos canseis, diz o Senhor, em

meditar nem estudar o que haveis de dizer, nem o modo com que o haveis de dizer, porque naquela hora vos será dado:

Nolite cogitare quomodo, aut quid loquamini: dabitur enim vobis in illa hora (Mt. 10, 19). -- Notai o quid e o

quomodo, e primeiro o quomodo que o quid. Pois, não bastava que Deus infundisse naquela hora aos apóstolos a ciência

das coisas que haviam de dizer, senão também o modo com que as haviam de dizer? Não bastava. Porque não só a

inteligência, senão a mesma grandeza e energia das coisas que se dizem depende muito do modo com que se dizem. A razão

deu em outro lugar o mesmo Santo Agostinho, tão douta e bem assentada como sua: Parum et nimium duo sunt inter se

contraria: parum est quod minus est quam oportet; nimium est quod plus est quam oportet: horum in medio modus

est (5). Quer dizer: o defeito e o excesso no dizer são dois contrários. O defeito diz menos do que convém, o excesso diz

mais do que convém; e no meio destes dois extremos está o modo, o qual emenda o defeito para que não diga menos, e

modera o excesso para que não diga mais.

Sendo esta, pois, a inteireza e perfeição do modo, não há duas coisas em que o mesmo modo seja mais dificultoso de se

guardar, e em que tenha maior perigo de se perder ou perverter, que no louvor e no pedir. No louvar, por menos, porque de

nenhuma coisa são mais avarentos os homens, que do louvor; e no pedir, por mais, porque de nenhuma são mais pródigos

que do desejo de receber. E como os dois fins e intentos do Rosário vocal são louvar a Deus e à Mãe de Deus, e pedir

mercês de ambos, este é o segundo ponto que pede novo discurso e novo exame. No primeiro ponderamos a alteza das

vozes do Rosário no que dizem; agora examinaremos o fino ou afinado delas no modo com que o dizem. A muitos parecerá

que em parte dizem mais, e em parte menos, que são os dois extremos entre os quais consiste o Modo, e a Cila e Caribdes,

em que é difícil acertar com o meio; e a todos satisfaremos. Cristo, Senhor nosso, para dizer mais do que disse ou exclamou

a oradora do Evangelho, replicou sobre o que ela tinha dito, acrescentando ao beatus venter o quinimmo beati e o mesmo

farei eu. Sobre todas as três considerações do discurso passado, argüirei e replicarei o que parece digno de reparo tanto por

parte do defeito, como do excesso; e, assim como já vimos a alteza da oração vocal do Rosário, no que dizem as suas

vozes, assim a veremos agora no modo com que o dizem. No que dizem, alta e altíssima sobre todas; no modo com que o

dizem, alta e altíssima sobre si mesma. Em suma, que a mesma voz do Evangelho, que já ouvimos, é a que tornaremos hoje a

ouvir, mas em diverso tom, porque será um ponto mais levantada: Extollens vocem.

§ III

Primeiro reparo: o modo tão nu e seco com que no Rosário invocamos a Deus. Confiança do Filho Pródigo no amor do pai.

O acerto do título que damos a Deus, ensinado por seu próprio Filho. Muito deseja dar quem pede que lhe peçam. Deus fez

que seu Filho se fizesse homem, para ter um Filho que, como homem, lhe pudesse pedir. A oferta limitada de el-rei Assuero à

rainha Ester, e a oferta sem limites de Cristo no Padre-nosso. A herança do Filho de Deus. Por que alegamos de nossa parte

o perdão dos inimigos?

Começando, pois, pela majestade a que presentamos nossas petições -- que foi a primeira consideração do discurso

passado -- a primeira coisa também em que se pode reparar é o modo tão nu e seco com que no Rosário invocamos a Deus,

dizendo somente: Pater noster, sem outra prefação nem aparato de exórdio. No exórdio das outras orações sempre a Igreja

costuma alegar a Deus, ou os seus atributos, ou os seus benefícios, ou as nossas necessidades, ou, talvez, o nosso

merecimento. Mas orar a Deus e pedir-lhe mercês, sem da sua nem da nossa parte alegar motivo algum com que conciliemos

a sua benevolência e façamos propícia a sua graça? Bem mostra nisto a primeira oração do Rosário ser ditada pelo Filho de

Deus, e idéia soberana de seu entendimento. Quando nos ensina a invocar a Deus, cala o nome de Deus e o de Senhor --

que é o princípio ordinário das outras orações -- cala os atributos da misericórdia e da bondade, cala os títulos de Criador,

Redentor, Justificador, e tantos outros de que nos pudéramos valer, e só quer que lhe chamemos Pai. Por que? Porque esta

alegação tão breve, tão simples, e ao parecer tão nua e desarmada, é a que mais significa, a que mais move, a que mais

enternece o coração de Deus, e a que não pode resistir todo seu poder. Todas as outras alegações juntas não chegam a

compreender nem exprimir o que diz esta palavra: Pai.

Desenganado o Pródigo, e cansado de servir o mundo com o pago que ele costuma dar, o que disse dentro em si, depois

que tornou em si, foi: Surgam, et ibo ad patrem meum (Lc. 15, 18): Tempo é já de me levantar da miséria em que estou

caído, quero-me ir para meu pai. -- Para meu pai? -- toma-lhe a palavra da boca S. Pedro Crisólogo, e argúi contra ele

assim (6): Ad Patrem meum? Qua spe? Qua fiducia? Qua confidentia? A teu pai, dizes, filho ingrato, descomedido,

perdido? A teu pai, dizes, a quem quiseste herdar antes da morte? A teu pai, a quem deixaste, e de quem fugiste, como se

fora inimigo? A teu pai, a quem afrontaste com tantas vilezas, tão indignas da nobreza de teu nascimento? Qua spe? Como

esperas que te há de reconhecer? Qua fiducia? Como crês que te há de admitir? Qua confidentia: Como confias que te não

há de lançar de si? Ea qua pater est -- responde o santo. A esperança com que isto espera, a fé com que isto crê, a

confiança com que isto confia, não é outra, senão o ser pai. Ea qua pater est. É pai? Pois, ainda que o Pródigo não traga

semelhança do que dantes era, há-o de reconhecer. E pai? Pois, ainda que seja indigno de entrar em sua casa, há-o de

recolher. E pai? Pois, ainda que tenha faltado às obrigações do nascimento e do sangue, há-o de meter nas entranhas. É pai?

Pois, ainda que tenha deixado de ser filho, ele não há de deixar de ser pai: Ego perdidi quod erat filii, tu quod patris est

non amisisti. -- E uma causa tão contingente, tão improvável, tão desesperada, quem a há de vencer? Um advogado -- diz

Crisólogo -- não estranho, nem de fora, senão tão natural e tão de dentro que o mesmo pai o tem no peito: Apud patrem

non intercedit extraneus: intus est in patris pectore ipse qui intervenit et exorat, affectus. -- E um advogado mudo,

mas mais eloqüente que Túlio nem Demóstenes; um advogado que, sem falar, ora; que, sem arrazoar, persuade; que, sem

alegar, convence; que, sem interceder, consegue; que, sem rogar, manda; que, sem julgar, sentencia, e sempre absolve. E

quem é, ou como se chama este advogado? Amor de pai: Intus, intus est patris pectore, ipse qui intervenit et exorat,

affectus.

Mas donde concebeu aquele moço esta fé, e donde fundou em matéria tão duvidosa uma tão firme esperança? Fundou-a nas

experiências passadas do mesmo amor, o qual em quem é pai não passa, nem se muda, nem enfraquece, sempre é o mesmo.

Pedira ele ao pai que o herdasse em sua vida e lhe desse a parte dos bens que lhe pertencia ou havia de pertencer. E que fez

o pai? Deu-lhe o que verdadeiramente ano devia, e fez, segundo parece, o que não devera. Porque a um moço tão inimigo

da sujeição, tão apetitoso da liberdade, e de tão pouco juízo, e tão verde que, não levando em paciência a larga vida do pai,

não soube dissimular a impiedade deste desejo, e porque não lhe podia apressar a morte, quis antecipar a herança, que outra

coisa era meter-lhe nas mãos a fazenda, senão armá-lo contra a virtude e contra a honra, dar-lhe poder e matéria para os

vícios, e pô-lo na carreira da perdição? Pois, se todas estas razões tinha o pai para lhe negar o que pedia, por que lhe fez a

vontade em tudo? Porque era pai, diz o mesmo santo: Patris est non negare. O amor não sabe negar. -- E porque o amor

de pai é o maior amor, nem soube, nem pôde, nem teve coração para negar ao filho o que lhe pediu. E como ele tinha

experimentado no amor do pai que não bastaram tantas razões para lhe negar o que então pedira, por isso também agora

teve confiança que não seriam necessárias razões para lhe conceder o que esperava. Quem, tendo razões para negar, não

negou, para não negar e conceder, não há mister razões. Como se dissera o moço, já sisudo e entendido: -- Muita razão tem

meu pai para me não admitir em sua casa; muita razão tem para me não ver nem consentir em sua presença; muita razão tem

para me não conhecer, antes para me negar de filho; razão pelas minhas ingratidões, razão pelas minhas loucuras, razão pelas

minhas vilezas, razão pelas minhas intemperanças; mas, sobre todas estas razões, está a razão de pai. Contra esta razão não

há razão. E esta é a que me anima, esta a que me dá confiança: Ibo, ibo, ad patrem meum.

Agora nos digam todos os padres e expositores: este pai e este filho que são? O pai é Deus o filho somos nós. E, para que

nós entendêssemos que a mais alta prefação e o mais sublime exórdio com que podemos invocar a Deus, e o mais eficaz

motivo que lhe podemos propor, e a mais poderosa razão que lhe podemos alegar, e o mais amoroso título com que lhe

podemos conciliar a graça e render o coração, é o título, o motivo e a razão de pai, por isso na primeira palavra do Rosário

o invocamos com o nome de Pai, e não como nas outras orações com os soberanos títulos de Deus ou Senhor. Deus, como

Deus, é misericordioso e justo: mas, como Pai, é misericordioso sem justiça; Deus, como Senhor, é poderoso para perdoar,

e para castigar: mas, como Pai, poderoso para o perdão, e não para o castigo; como Deus e como Senhor, enfim, pode

negar e pode conceder : mas, como Pai, só sabe conceder, não sabe negar: Patris est non negare. Sendo, pois, tantas e tão

grandes as petições que no Rosário presentamos ao Consistório divino, acertado e acertadíssimo é o modo com que as

fazemos, não debaixo dos títulos da majestade, senão do nome do amor, não como a Deus e Senhor, senão como a Pai.

Pater noster. E para que saibamos a confiança com que devemos pedir a este soberano Pai, e o desejo que ele tem de lhe

pedirmos, ouçamos ao mesmo Pai a maior coisa que se pode imaginar nesta matéria.

Fala Deus com seu próprio Filho, o Verbo Eterno feito homem, e diz assim: Filius meus es tu; ego hodie genui te. Postula

a me, et dabo tibi gentes haereditatem tuam (Sl. 2, 7 s): Sois meu Filho, porque vos gerei hoje: pedi-me a vossa herança,

que são todas as gentes do mundo, e eu vô-la darei. -- Três coisas quando menos dignas de grande reparo contêm estas

profundas palavras. Se Deus gerou seu Filho ab aeterno, como diz que o gerou hoje: Ego hodie genui te? -- Se diz que a

herança é sua: haereditatem tuam -- como quer que ele lha peça: Postula a me?-- E se diz que lha dará: Et dabo tibi --

por que lha não dá sem a pedir? Tudo são demonstrações de quanto Deus, como Pai, deseja dar. Muito deseja dar quem

pede que lhe peçam. Nós somos requerentes de Deus, para que nos dê; e Deus é requerente nosso, para que lhe peçamos.

Mas is to só o faz como Pai a filhos. O Filho que o Padre gerou ab aeterno era Filho a quem não podia dar, nem ele podia

pedir, porque era Deus. Mas fez que esse Filho se fizesse homem. Para que? Para ter um Filho que, como homem, lhe

pudesse pedir, e a quem ele; como Pai, pudesse dar. A ele deu-lhe a herança como a Primogênito, e a nós também no-la

quer dar como a filhos segundos, mas com a mesma condição de que a peçamos. E não fora maior liberalidade dar sem esta

condição, e sem esperar que pedíssemos primeiro? Não. Porque quer dar de tal modo, que não só satisfaça a sua vontade

senão também o nosso desejo. Quem me dá o que não peço, mede a dádiva pela sua vontade; quem me dá o que peço,

mede-a pela minha. Mais faz Deus. Mede pela minha vontade a sua, que é medida sem medida, porque quer, e se obriga a

querer quanto eu pedir. Por isso quis o soberano Pai que pedíssemos, e por isso nos ensinou o Filho este modo de pedir a

seu Pai.

El-rei Assuero ofereceu à rainha Ester que pedisse o que quisesse; mas esta largueza, ou de liberalidade, ou de amor, quando

cuidou que a estendia então a limitou, porque dizendo: Quid vis? -- acrescentou: Etiam si dimidiam partem regni petieris,

dabitur tibi (Est. 5, 3): que ainda que pedisse a metade do seu reino, lho daria. -- Pouco dá, e pouco quer, quem do que

tem e do que pode oferece só a metade. Não assim o Pai a quem pedimos, porque uma só partida do que quer que lhe

peçamos nesta mesma oração do Padre-nosso não é a metade do seu reino, senão todo: Adveniat regnum tuum (Mt. 6,

10). Assuero era rei e esposo: enquanto rei, falou nele a liberalidade, e enquanto esposo o amor; e é tanto maior em Deus a

liberalidade e amor de Pai que, quando a liberalidade de rei e o amor de esposo não chega mais que a prometer a metade do

reino, a liberalidade e amor deste soberano Pai não da menos que todos. E notai que, quando lhe pedimos o reino, não

dizemos que nos dê o seu reino, senão que o seu reino venha a nós. Por que? Porque pedimos como filhos a Pai, e o reino

do Pai vem aos filhos. Esta é a razão porque diz o Pai que dará a sua herança ao Filho: Dabo tibi haereditatem tuam. A

herança vem aos filhos, não lha dão os pais; pois, por que diz este Pai que dará ao Filho a sua herança? Porque é Pai imortal.

Quando os pais são mortais, a herança é pura herança, e vem por morte dos pais aos filhos. Mas quando o Pai é imortal,

como Deus, a herança dos filhos é herança com propriedade de doação intervivos, e a doação do Pai é doação com

propriedade de herança. Com propriedade de herança, porque de direito vem aos filhos; e com propriedade de doação,

porque verdadeiramente a dá o Pai: Dabo tibi haereditatem tuam.

Só resta dentro no mesmo Padre-nosso uma objeção que, parece, desfaz claramente o que até agora dissemos. Dissemos

que não alegamos a Deus outro título, nem outro motivo, nem outra razão da sua ou da nossa parte, senão somente o ser Pai;

e na mesma oração do Padre-nosso pedimos a Deus que nos perdoe, assim como nós perdoamos; logo, ainda que da parte

de Deus só lhe representamos o ser Pai, da nossa parte alegamos o perdão dos inimigos, que não é pequeno nem fácil

merecimento. Tão fora está isto de ser objeção, que antes é maior confirmação do que digo. Supor o perdão dos inimigos

não é alegação, é justificação. Ora vede. Para pedir aos príncipes da terra, não é necessário justificar primeiro o que na

petição se alega? Sim. Pois, do mesmo modo, para pedir a Deus, a quem só alegamos o ser Pai, é necessário justificar

também que ele verdadeiramente é Pai nosso, e nós filhos seus. E esta justificação só se prova com o perdão e amor dos

inimigos. O mesmo Cristo o disse: Diligite inimicos vestros, benefacite his qui oderunt vos, ut sitis filii Patris vestri, qui

in caelis est (Mt. 5, 44 s): Amai a vossos inimigos; e fazei bem aos que vos querem mal, para que sejais filhos do vosso Pai,

que está no céu. -- De vosso Pai que está nos céus, diz, assim como nós dizemos: Pater noster, qui es in caelis (Mt. 6, 9).

-- E esta é a razão por que em toda a oração do Padre-nosso, e em todo o Rosário, nenhuma outra coisa ou ação nossa

deduzimos ou supomos, senão o perdão dos inimigos somente: Sicut et nos dimittimus debitoribus nostris -- porque o

nosso intento não é alegar algum título de merecimento da nossa parte, senão só justificar que Deus, a quem invocamos como

Pai, verdadeiramente é Pai nosso, para que as petições que debaixo deste nome se seguem fiquem correntes e não saiam

escusadas. Oh! que boa advertência esta para todos os que rezam o Rosário! Quando começam dizendo Pater noster,

suponham que o primeiro despacho é: justifique; e, se justificarem com o perdão e amor dos inimigos que estão em estado de

filhos, então esperem confiadamente, que o Pai do céu que invocam lhes concederá tudo o que pedem.

§ IV

Segundo reparo: por que Cristo, dando o modo e a forma com que havemos de orar, diz que oremos dizendo Padre-nosso,

e não Pai meu? A nobreza de nascimento e a paternidade de Deus. Alexandre Magno, filho de Júpiter. Se Cristo nos diz que

não chamemos país aos pais da terra, que vêm logo a ser os que chamamos pais? Isaías e a diferença entre o Pai-Deus e os

pais -homens. A nobreza de ser filho de Deus. S. Pascásio contra os idólatras da vaidade. O escrúpulo dos filhos de Jacó.

Guardem-se de dizer a Deus Padre-nosso, os que se estimam por mais nobres que os pequenos.

Esta é a primeira parte do modo com que presentamos nossas petições à majestade divina, não como a Deus, nem como a

Senhor, senão como a Pai. A segunda parte, e não menos excelente, é que lhas não presentamos só como a Pai, senão como

Pai nosso: Pater noster. O em que aqui reparo é em dizermos nosso, e não meu. Funda-se a dúvida não menos que nas

palavras do mesmo Cristo quando ensinou o Padre-nosso, que são estas: Tu autem cum oraveris, intra in cubiculum

tuum, et clauso ostio, ora Patrem tuum in abscondito; et Pater tuus, qui videt in abscondito, reddet tibi (Mt. 6, 6): Tu,

quando orares, entra no aposento mais secreto da tua casa, e com a porta fechada ora a teu Padre, e teu Padre, para cuja

vista não há lugar oculto nem escondido, te dará o que lhe pedires. -- Pois, se o mesmo Cristo uma e outra vez chama ao

Padre, não nosso, senão meu: Patrem tuum e Pater tuus -- por que razão, continuando o mesmo texto, e dando o modo e a

forma com que havemos de orar, diz que oremos dizendo Padre-nosso: Sic ergo vos orabitis: Pater noster, qui es in

caelis (Mt. 6, 9) -- Deus é Pai nosso e de todos, porque é Pai de cada um; pois, se é Pai de cada um, por que não dirá cada

um quando ora Pai meu, senão Pai nosso? Que digamos Pai nosso quando oramos em comum, assim pede a mesma

comunidade que seja; mas quando ora um só em particular, por que não há de dizer Pai meu? Porque Deus, que assim o

mandou, quer que oremos deste modo. Quer que em comum e em particular digamos sempre Pai nosso, para que, em

comum e em particular, nos lembremos sempre que todos somos filhos de mesmo Pai: Ut nemo applaudat sibi de

notabilitate generis: omnes enim filii Dei sumus -- comenta Hugo Cardeal. Quer e manda Cristo que nos lembremos,

quando oramos, que somos filhos do mesmo Pai-Deus, porque não haja algum tão ignorante, ou tão desvanecido, que pela

chamada nobreza de sua geração cuide que é melhor ou mais honrado que os outros. Oh! que altíssimo ponto este, e mais

para os vossos pontos! Dizei-me, senhores, os que vos tendes por tais: quando tomais o Rosário na mão, e trazeis entre os

dedos esta primeira conta, dizendo Padre-nosso fazeis a conta que Deus quer que façais, sem diferença de vós a qualquer

outro homem?

Dir-me-eis que Deus não vos manda desconhecer a vossa qualidade, nem negar a vossa nobreza, e que, se todos somos

iguais em ter a Deus por Pai, vós tendes de mais a nobreza dos pais de que nascestes, e que esta vos distingue e desiguala

dos outros homens, e vos faz de melhor e muito superior condição. A resposta é muito própria do vosso entendimento, mas

não muito digna da nossa fé. E esses pais, ainda que fossem reis e imperadores, podem entrar em consideração para fazer

diferença com quem tem a Deus por Pai? Quisera chamar a isto gentilidade, mas nem a resposta merece tão pequena

censura, nem os gentios tamanha afronta. Gentio era Alexandre Magno, e, soberbo com os sucessos daquela sua grande

fortuna, querendo ser tido e adorado por Deus, que fez? Intitulou-se filho de Júpiter, e mandou que ninguém dali por diante o

nomeasse por filho de Filipe. E este Filipe, quem era? Não só era rei de Macedônia, mas o mais insigne rei que os

macedônios nunca haviam tido; grande amplificador do seu império, famoso conquistador de muitos reinos e províncias, e tão

celebrado por seus heróicos feitos em armas, que o mesmo Alexandre invejava suas vitórias e as festejava com lágrimas.

Pois, de um rei tão grande, tão poderoso, tão temido e respeitado na Grécia, tão famoso e celebrado em todo o mundo, se

despreza Alexandre de ser filho, e não quer ser conhecido nem nomeado por tal? Sim. E obrara muito contra a razão se

assim o não fizera quando se intitulava filho de Júpiter. Quem se chama filho de Júpiter, e tem a Júpiter por pai, todos os

outros títulos que por qualquer via lhe compitam, por maiores e mais reais que sejam, mais são para o desprezo que para a

estimação, mais para o esquecimento que para a memória, mais para o silêncio que para a jactância. Até entre os gentios, e

no gentio mais soberbo, quem tem a Deus por Pai não toma na boca outros pais. E se isto era conforme à razão, onde o

Deus-pai era tão falso pai como falso Deus, que será onde o verdadeiro Deus é o verdadeiro Pai? Não só é falta de fé,

senão de entendimento e juízo.

Mas, vamos à fé, e ouçamos o que ensina sobre este ponto o mesmo Mestre divino, autor do Padre-nosso e comentador

dele: Patrem nolite vocare vobis super terram: unus est enim Pater vester, qui in caelis est (Mt. 23, 9): Não queirais --

diz Cristo -- chamar pais aos da terra, porque só tendes um Pai, que está no céu. -- Grande e admirável sentença, e que,

parece, diz mais do que diz, dizendo muito mais do que parece. Cristo, que isto ensina, não e o mesmo Deus que nos manda

honrar os pais? Sim. Pois, se os manda honrar, como diz que lhes não chamemos pais? Havemos de lhes dar a honra, e

tirar-lhes o nome? Assim o mostra a razão que o mesmo Senhor acrescenta: Unus est enim Pater vester, qui in caelis est:

Não chameis pais aos da terra, porque só o do céu é vosso Pai. -- Logo, se só o do céu é nosso Pai, a ele só devemos dar o

nome de Pai, e a nenhum outro. E se não pergunto: muitos que puderam ser pais, e o desejam ser, por que o não são?

Porque Deus, como respondeu Jacó a Raquel, é o que dá os filhos, e também para que esses mesmos que não são pais

conheçam que o ser que têm o não devem a seus pais, senão a Deus. Que vêm logo a ser os que chamamos pais, pois não

são eles, senão Deus o que nos dá o ser? Vêm a ser uma estrada geral, ordenada pelo mesmo autor da natureza, por onde

passa o ser que ele nos dá. Profunda e elegantemente S. João Crisóstomo: Non initium vitae habemus a parentibus, sed

transitus vitae per eos accipimus: O princípio do ser que temos não sai nem vem dos pais, porque todos o recebemos de

Deus, passado somente por eles: Sed transitus vitae per eos accipimus (7). -- Vem a ser propriamente o nosso ser como

as águas que enchem e fazem os rios. O Nilo ou o Tejo não devem as suas correntes às terras por onde passam, senão à

fonte donde nasceram. Assim nós entramos neste mundo passados pelos pais da terra, ou pela terra dos pais; a fonte, porém,

donde trazemos o ser é só o Pai do céu: Unus est enim Pater vester, qui in caelis est. -- Oh! que alto nascimento, e que

grande obrigação, mas que mal guardada! Por isso, em vez de sabermos à fonte, sabemos à terra.

Ainda sondou este pego, e lhe achou maior fundo o profeta Isaías. Fala em nome do povo de Israel, e pede a Deus que use

com ele de suas antigas misericórdias, de que, parece, estava esquecido, e alega desta maneira: Tu enim Pater noster, et

Abraham nescivit nos, et Israel ignoravit nos (Is. 63, 16): Porque vós, Senhor, sois nosso Pai, e Abraão e Jacó não nos

conheceram. Todo aquele povo de nenhuma coisa mais se prezava que de serem filhos de Abraão e Jacó; pois, como agora

dizem que só Deus é seu Pai, e não Abraão nem Jacó, e a razão com que o provam é que nem Abraão nem Jacó os

conheceram: Abraham nescivit nos, et Israel ignoravit nos? -- Falou Isaías altissimamente, e alegou a maior e mais interior

diferença que há entre o Pai Deus e os pais -homens. Deus conhece aqueles a quem dá o ser: os homens, ainda que lho

dessem, não os conhecem. Conhecem os filhos depois de nascidos, mas antes de gerados não; e quem me faz o benefício

sem me conhecer, não mo faz a mim, pouco lhe devo; não foi eleição, foi caso. Tanto assim que por isso nascem a muitos

pais tais filhos que antes tomaram que não fossem seus. E como Abraão e Jacó não conheciam os filhos que deles nasceram,

e Deus sim, essa é a diferença altíssima por que alega Isaías que só Deus é o seu Pai, e não Abraão nem Jacó. Logo, do

mesmo modo também nós só devemos reconhecer por pai ao Pai do céu, que nos deu o ser e nos conheceu, e não chamar

pais aos da terra, que nem no-lo deram nem nos conheceram; e isto é o que soam as palavras de Cristo: Patrem nolite

vocare vobis super terram: unus est enim Pater vester, qui in caetis est (8).

Por isso eu disse que esta sentença parecia que diz mais do que diz, dizendo mais do que parece, como agora veremos. Não

diz Cristo, Senhor nosso, nem quer dizer que neguemos aos que nos geraram o nome de pais; só diz, e só quer dizer, que

esses pais não os tragamos sempre na boca, como muitos fazem, prezando-se e jactando-se deles, e cuidando que por este

acidente, que não é da natureza, senão da fortuna, são melhores e mais honrados que os outros homens. A demonstração

com que o Senhor convence a vaidade deste pensamento é manifesta: Unus est enim Pater vester, qui in caelis est. -- Não

vos jacteis dos pais da terra, porque o vosso Pai do céu é um só. -- São três razões em três palavras: por ser Pai, por ser do

céu, por ser um. Se é Pai que verdadeiramente vos deu o ser, por que vos haveis de prezar dos que chamais pais, e vo-lo

não deram? Se é do céu, e é Deus, por que vos não haveis de gloriar mais de ser seus filhos, que dos pais da terra, que são

homens? E se é um só Pai de todos, por que vos não haveis de estimar e honrar todos com amor e igualdade de irmãos?

Esta última é a principal conseqüência que o Senhor pretendeu persuadir, porque a inferiu tendo dito: Omnes autem vos

fratres estis (9). Pois, se todos somos irmãos e filhos do mesmo Pai, e tal Pai, que fundamento tem ou pode ter a soberba,

para um cristão desprezar a outro cristão, e se reputar ou inchar de mais bem nascido? Responde a mesma soberba que, se

o Pai do céu é um, os pais da terra são muitos, e de mui diferentes fortunas, como se Cristo, que disse: Unus est Pater vester

-- não soubera esta distinção. Mas nenhum caso fez dela, porque todas essas fortunas, nem por altas, nem por baixas,

podem acrescentar ou diminuir nobreza em quem é filho de Deus. Ponde em uma balança de uma parte a Deus só, e da outra

a Deus e todo o mundo, e perguntai a Santo Tomás qual pesa mais? Tanto pesa uma como outra: porque todo o mundo e mil

mundos juntos a Deus, em respeito de Deus só, nem acrescentam peso, nem fazem maioria. O mesmo passa no nosso caso.

Tanta nobreza é ser filho de Deus somente, como ser filho de Deus e do maior monarca do mundo. Tão nobre é João, filho

de Deus e de um pescador, como o imperador Arcádio, filho de Deus e de Constantino Magno. Cuidar alguém o contrário,

não só é ignorância e loucura, mas falta ou desprezo da fé.

Ouçam a S. Pascásio estes idólatras da vaidade: Si vera fide haec paternitas veneraretur et amaretur, nunquam

fraternitas carnis amplius valeret apud aliquos, sed praeferrent nobilitatem ex Deo, darentque operam, ne degeneres

existerent, et tanto parente indigni propter vetustatem carnis (10): Se os cristãos creram com verdadeira fé, e estimaram

como devem o que é ter a Deus por Pai, de nenhum modo desprezariam aos que, por este soberano parentesco, são seus

irmãos; mas, porque muito se prezam mais da geração dos pais da terra, por isso são e se fazem indignos de ser filhos do Pai

do céu. De sorte que desses que vós desprezais é Deus Pai, e vós, porque os desprezais, deixais de ser filhos. É Pai seu, mas

não é Pai vosso. Então, ouvir a estes rezadores cegos com o Rosário na mão: Pater noster, qui es in caelis -- desprezando

eles no mesmo tempo aos filhos do mesmo Pai! Isto não é rezar o Padre Nosso, é brasonar os padres vossos. É ofender, é

injuriar, é afrontar o Pai do céu, pois vos prezais mais dos pais da terra. Se o fim por que Cristo nos ensinou a dizer Pater

noster foi para todos, como filhos do mesmo Pai, nos estimássemos e honrássemos como irmãos, os que os não tratam nem

estimam como tais, como podem dizer Padre nosso? Não podem. E vede se o provo. Morto Jacó, vieram a José seus

irmãos, e disseram-lhe desta maneira: Pater tuus praecepit nobis antequam moreretur, ut haec tibi verbis illius

disceremus: Obsecro ut obliviscaris sceleris fratrum tuorum, et peccati atque malitiae quan exercuerunt in te (Gen.

50, 16 s): Vosso pai, antes de morrer, nos mandou vos disséssemos em seu nome que ele vos rogava muito vos não

lembrásseis do mal que vos tinham tratado vossos irmãos, e lhes perdoásseis. -- Reparai, se já não tendes reparado, na

palavra pater tuus, vosso pai. Jacó igualmente era pai de José, e de todos os outros irmãos que lhe davam o recado em seu

nome pois, se era pai de José, e também pai seu deles, por que não dizem nosso pai, senão vosso pai: pater tuus? Porque

estes mesmos irmãos tinham tratado a José tão indignamente, como sabemos; e irmãos que não estimam nem honram a seus

irmãos como devem, ainda que sejam filhos do mesmo pai, não podem chamar a esse pai pai nosso. Por isso não disseram

pater noster, senão pater tuus.

Oh! soberba! Oh! pouca cristandade! Oh! falta grande de fé! Oh! ignorância intolerável da lei e verdade que professamos!

Os grandes, que se estimam por mais nobres que os pequenos, os senhores, que se têm por mais honrados que os seus

escravos, os mesmos reis, que cuidam que são melhores que o menor de seus vassalos, guardem-se de dizer a Deus Padre

nosso. Se querem que Deus se não ofenda, e os ouça, desçam-se primeiro desse pensamento, que na maior alteza é altivo,

reconheçam a todos por irmãos e por seus iguais na nobreza, como filhos do mesmo Pai, porque este é o foro em que Cristo

nos igualou a todos, quando a todos, sem diferença, nos mandou dizer: Pater noster. E por que não pareça que ao menos os

reis, pela soberania do seu estado, podem ser exceção desta regra, ouçam o que pregava S. João Crisóstomo aos

imperadores em Constantinopla, explicando-lhes o Padre-nosso, e ensinando-os como o haviam de dizer: Unam regis cum

paupere aequalitatem honoris ostendit; cunctis enim unam, atque eamdem nobilitatem donavit Deus, cum dignatus

est Pater omnium vocari (11): Quando Deus nos concedeu a todos que igualmente o invocássemos com nome de Pai

nosso, juntamente nos deu tal igualdade de honra e de nobreza a todos, sem diferença alguma, que tão nobre e tão honrado é

o pobre que pede esmo la pelas portas, como o rei que esta assentado no trono e com a coroa na cabeça: Unam regis cum

paupere aequalitatem honoris ostendit: unam eamdemque nobilitatem cunctis donavit. -- Para que, finalmente, se veja

se foi altíssimo modo de orar o com que Cris to ajuntou o noster ao Pater, pois, sem abater a alteza dos príncipes soberanos,

a que o mundo chama baixeza, levantou e sublimou a mesma baixeza à igualdade dos mesmos príncipes, e tudo isto com uma

só palavra: noster: Extollens vocem.

§ V

Segunda consideração: as petições que fazemos a Deus. Pedir que seja feita a vontade de Deus assim na terra como no céu,

e pedir o impossível? A esta objeção responde-nos o mesmo Mestre Divino, exortando-nos a que sejamos perfeitos como o

Padre celeste e perfeito. Diferença entre fazer Deus a sua vontade, e ser feita a vontade de Deus. Em que há de ser feita a

vontade de Deus? A vontade de Deus mais áspera de sofrer e de mais dificultosa conformidade. Como aceitam os anjos no

céu as vontades de Deus? Em que consiste a semelhança civil da terra com o céu? Cristo, no Padre-nosso, não só nos

ensinou o fazer a sua vontade, senão também o modo de a fazer.

Passando à segunda consideração, que é das petições que fazemos a Deus, nelas mais claramente ainda parece que

excedemos o equilíbrio ou meio proporcionado e justo em que consiste o modo, porque em umas pedimos muito mais e em

outras muito menos do que devemos pedir.

Quanto às primeiras, seja exemplo aquela que compreende a todas, na qual pedimos a Deus que seja feita a sua vontade

assim na terra como no céu; e este modo de pedir, quem não vê que é fora de todo o modo? Se disséramos somente: Fiat

voluntas tua -- e paráramos ali, entender-se-ia que desejávamos e pedíamos a Deus que se fizesse a sua vontade na terra,

segundo a fraqueza da terra de que somos compostos, e segundo o estado da terra em que vivemos ou em que lutamos

dentro e fora de nós, com as misérias da mesma vida; porém, dizer e acrescentar que seja feita a vontade de Deus sicut in

caelo, et in terra (Mt. 6, 10): assim na terra como, no céu -- é pedir o que se não pode pedir, nem se pode desejar, nem

pode ser. O céu não só é incapaz de pecado, mas nem ainda da menor imperfeição; todos lá fazem a vontade de Deus

perfeitissimamente, vendo ao mesmo Deus, e revendo-se na mesma vontade, e esta é a melhor parte da sua mesma

bem-aventurança. Pelo contrário, na terra, nem ainda os maiores santos e confirmados em graça estão livres de imperfeições

e de alguns pecados leves, próprios da fragilidade humana, por onde disse S. João, sendo, ele o que mais amou e o mais

amado de Cristo: Si dixerimus quoniam peccatum non habemus, ipsi nos seducimus, et veritas in nobis non est (12). A

razão desta diferença é porque Deus no céu é amado por vista, na terra é amado por fé, e a vista necessita a vontade, a fé

deixa livre o alvedrio. Logo, se na terra nem se faz, nem se pode fazer a vontade de Deus, como no céu, pedir que se faça na

terra como no céu e pedir o impossível.

A esta objeção só pode satisfazer o mesmo Mestre divino, que nos ensinou a dizer sicut in caelo, et in terras e responderá

a um sicut com outro sicut. Exortando-nos Cristo, Senhor nosso, à perfeição que deseja nos observadores da sua lei, diz

que sejamos perfeitos assim como o Padre celestial é perfeito: Estote ergo perfecti, sicut et Pater vester caelestis

perfectus est (Mt. 5, 48). Já vedes como um sicut responde ao outro. Mas, se a perfeição do Eterno Padre é infinita e

imensa, e a nossa, ainda que fôssemos anjos, por mais alta e excelente que seja, sempre é de criaturas, e, por isso, finita e

limitada, como nos propõe o Senhor por exemplar de nossas ações, não outra perfeição menor, senão a do mesmo Padre, e

diz que sejamos perfeitos como ele é perfeito? Porventura houve jamais ou é possível haver criatura que possa chegar, nem

de muito longe, não digo à igualdade, mas nem ainda à semelhança de tão inacessível perfeição? Claro está que é impossível;

mas propõe-nos Cris to um exemplar impossível, quando nos exorta à imitação dele, para que, aspirando ao impossível,

venhamos a conseguir o possível. Bem sabe o soberano Artífice que nos fez o que podemos com sua graça, e por isso nos

exorta ao que não podemos, para que cheguemos ao que podemos. E se isto tem lugar na comparação do homem a Deus:

sicut Pater vester -- quanto mais na comparação da terra ao céu: sicut in caelo, et in terra? O que importa é que nós

digamos deveras: Fiat voluntas tua.

Não falta, porém, quem argua esta petição ao menos de supérflua e ociosa. Deus, assim no céu como na terra, sempre fez, e

faz, e há de fazer o que quer: Omnia quaecumque voluit Dominus fecit, in caelo et in terra (13) -- logo, supérflua coisa é,

inútil e ociosa, pedir a Deus que faça a sua vontade, pois ele há de fazer sempre, ainda que nós não queiramos nem lhe

peçamos que a faça. Muito me admira que tenha grandes autores esta réplica, e tão grandes, que por sua autoridade os não

nomeio. Nós não pedimos a Deus que faça a sua vontade: pedimos-lhe que seja feita: Fiat voluntas tua. -- E que mais tem

ser feita a vontade de Deus que fazer Deus a sua vontade? Muito mais. Porque o que não pode fazer a vontade de Deus

fazendo, faz sendo feita. E pensamento profundíssimo de S. Bernardo, e o prova com a criação e bem-aventurança dos

anjos: Voluntas Domini, quae prius angelos creavit, faciens eosdem, postmodum in eis facta beavit (14): A vontade de

Deus, que, fazendo os anjos, os fez anjos, sendo feita neles, os fez bem-aventurados. -- De sorte que a vontade de Deus,

fazendo, pôde fazer anjos; mas, fazê-los bem-aventurados, não o pôde fazer fazendo, senão sendo feita: Faciens creavit

angelos, facta beavit. -- A razão é porque, para uma criatura racional ser, é necessário que a vontade de Deus a faça; mas,

para ser bem-aventurada, é necessário que ela faça a vontade de Deus. Criou Deus no céu a Lúcifer e criou a Miguel que

foram as duas obras da mão divina as mais nobres, as mais excelentes, as mais parecidas com seu próprio Artífice, e as mais

enriquecidas de todos os dotes e graças da natureza, que no teatro das jerarquias se extremaram sobre todas. Isto fez a

vontade de Deus fazendo. E sendo feita, ou não feita, que fez? Não sendo feita, fez que Lúcifer, que havia de ser

bem-aventurado, fosse o maior demônio; e, sendo feita, fez que Miguel, que também pudera ser demônio, fosse o maior

bem-aventurado. Por isso pedimos a Deus, não que faça a sua vontade, senão que seja feita: Fiat voluntas tua.

E em que há de ser feita, ou em que pedimos que seja feita a vontade de Deus? Este é o ponto mais subido desta altíssima

petição. Pedimos que seja feita a vontade de Deus em tudo quanto Deus quer ou pode querer, sem exceção, sem limite, sem

réplica. No particular e no comum; no próprio e no alheio; no próspero e no adverso; no presente e no futuro; no temporal e

no eterno. S. Paulo distingue na vontade de Deus três vontades: uma boa, outra melhor, outra perfeita: Quae sit voluntas

Dei bona, et beneplacens, et perfecta (15). Com a vontade boa quer Deus o que manda; com a vontade melhor quer o que

aconselha; com a vontade perfeita quer o que nem aconselha, nem manda, mas, ou o executa por si, ou o permite por outros;

e a todas estas vontades se sujeita, e com todas se conforma quem diz: Fiat voluntas tua.

Na lei velha só um homem achou Deus que fizesse todas as suas vontades, que foi Davi: Inveni virum secundum cor meum,

qui faciet omnes voluntates meas (16). Na lei da graça quer Deus que todas as suas vontades as façamos todos. Todos e

todas por árduas, por dificultosas, por encontradas que sejam. Uma vez quer Deus o gosto, outra o desgosto; uma vez quer

a riqueza, outra a pobreza; uma vez a honra, outra a afronta; uma vez o aplauso, outra a perseguição; uma vez a bonança,

outra a tempestade; uma vez a fortuna, outra a fome; uma vez a saúde, outra a doença; uma vez a vida, outra a morte. E

assim como todos estes encontros se conciliam na vontade de Deus, donde saem, assim quer se recebam sem repugnância na

nossa, onde todos se aceitam. Se sois pai, e quer Deus tirar-vos o filho mais amado, como Isac a Abraão: Fiat voluntas

tua. -- Se sois esposo, e vos quer Deus levar a companhia mais estimada e a prenda mais querida, como Raquel a Jacó: Fiat

voluntas tua. -- Se sois rei, e vos quer Deus privar da própria coroa, e pelo instrumento mais injusto e mais ingrato, como a

Davi por Absalão: Fiat voluntas tua. -- Se sois valente e famoso nas armas, antes, o milagre da valentia, e vos quer Deus

entregar fraco, manietado e afrontado nas mãos de vossos inimigos, como Sansão: Fiat voluntas tua. -- Se sois, finalmente,

homem, e muito grande no mundo, e não só vos quer Deus tirar o poder, a grandeza e a majestade, senão a mesma figura

humana, e uso dela, e que pasteis entre os brutos, como Nabucodonosor: Fiat voluntas tua.

Pode Deus ainda querer mais? Sim, pode. Pode querer que todos esses trabalhos, todas essas penas, todas essas dores que,

divididas, atormentariam mortalmente muitos homens, se ajuntem todas em vós; e padecendo essa vida pior que a morte, ou

vivendo essa morte bastante a tirar mil vidas, que haveis de fazer ou dizer? Fiat voluntas tua. Outros, creio, se contentariam

com isto, e parariam aqui; mas para mim ainda entre as vontades de Deus há uma que mais fere e mais penetra o coração,

mais rigorosa e mais áspera de sofrer, e de mais dificultosa conformidade. E qual é? A que Judas Macabeu antepôs à vida, e

julgou por mais dura de tolerar que a morte: Melius est nos mori in bello, quam videre mala gentis nostrae (1 Mac. 3,

59): Melhor é -- disse aos companheiros -- morrer na guerra, que viver e ter vida nem vista para ver os males e calamidades

da pátria, e as afrontas e abatimentos da nossa nação. -- Oh! ânimo verdadeiramente leal, fiel, generoso, heróico! Mas, se

suceder, e Deus quiser que a pátria se abrase, como Tróia, que se confunda, como Babilônia, que se subverta, como Nínive,

que não fique nela pedra sobre pedra, como Jerusalém, e que se sepulte uma, duas e três vezes debaixo de suas ruínas, como

Roma, ainda no tal caso, responde o generoso macabeu, não desmaiará nem cairá o meu coração, porque ficará em pé a

vontade divina: Sicut autem fuerit voluntas in caelo, sic fiat (17).

Tanto como isto quer dizer, e tanto como isto dizemos no Padre-nosso quando dizemos: Fiat voluntas tua. Mas ainda não

chegamos mais que à metade da petição. E bastará que todos estes males, todas estas calamidades particulares e públicas,

nossas e de todos, as levemos com paciência, as soframos com constância, as aceitemos com conformidade na vontade de

Deus? Não basta, porque ainda quer e diz mais o mesmo Deus: Sicut in caelo, et in terra: A minha vontade há-se de fazer

ou ser feita na terra, assim como se faz e é feita no céu. -- Como se vêem desde o céu, e como se recebem e aceitam lá

todas essas calamidades do mundo? Não só com perfeitíssima conformidade, senão com suma alegria. Rebelou-se Lúcifer

no céu, e levou consigo ao inferno toda a sua parcialidade dos espíritos apóstatas. E que sentimento causou nos outros anjos

a infelicidade de tão estranha e universal ruína? Todas as três jerarquias ficaram desfeitas, e todos os nove coros diminuídos,

não menos que na terceira parte; mas na glória e alegria dos anjos obedientes à vontade divina, nenhuma diminuição nem

mudança houve: tão gloriosos e tão alegres continuaram a cantar os louvores de Deus, como agora o fazem e farão

eternamente. Como Eva, pecou Adão, e foram ambos lançados do paraíso da terra, criado para restauração das cadeiras do

céu; e os anjos da guarda, particularmente do mesmo Adão e da mesma Eva, que demonstração fizeram por aquela

desgraça? Se eles não foram os mesmos querubins, que com montantes de fogo lhes proibiam a entrada do paraíso, tanta foi

a alegria em que perseveraram na perda dos seus recomendados, como se eles se tiveram conservado na felicidade em que

lhes foram entregues. Todos os reinos e impérios, como consta do profeta Daniel, têm seus anjos tutelares, que os assistem,

governam e defendem. Passou, pois, o império dos assírios aos persas; e que fez o anjo tutelar dos assírios? Passou o

império dos persas aos gregos; e que fez o anjo dos persas? Passou o império dos gregos aos romanos; e que fez o anjo dos

gregos? Passa, finalmente, o império dos romanos -- que ainda se não sabe para onde -- não aparecendo já dele mais que a

sombra, nem se ouvindo mais que o nome, e que fez o anjo dos romanos? Todos se alegram igualmente nestas ruínas, como

se alegravam no maior auge de suas felicidades, porque na vontade de Deus, a quem estão vendo, vêem também todo o

motivo da sua perpétua alegria. Maior caso ainda. Todas as espécies de criaturas que nascem, ou vivem, ou se movem, ou se

não movem na terra, têm seus anjos particulares, a quem incumbe o cuidado de sua conservação. Mandou Deus sobre o

mundo o dilúvio universal, em que todos os homens pereceram, e todas essas criaturas se destruíram; e quando parece que

só os anjos da guarda de Noé e seus filhos haviam de ficar triunfantes e alegres, e todos os mais desconsolados e tristes, tão

universal foi a alegria em todos os anjos, como o castigo em todos os homens. Não vos parece muito tudo isto, e mais que

muito? Pois nada tenho dito até agora. Padece Cristo os maiores tormentos e afrontas, morre, finalmente, pregado em uma

cruz, e, posto que o céu, por esta parte inferior, se cobriu de luto, eclipsando-se o sol, na parte de cima, que é a do empíreo,

que sentimento fizeram os anjos vendo morrer a seu Deus? Oh! assombro! Oh! prodígio nunca imaginado da conformidade

com a vontade divina! Morre Deus, e sendo os anjos as criaturas que melhor entendem e mais o amam, nem por um só

momento cessaram então as festas e cantares dos mesmos anjos, tão alegres na morte de seu Criador como no seu

nascimento, tão alegres no seu enterro, como na sua ressurreição.

Isto é, nem mais nem menos, o que significa no Padre-nosso, sobre a primeira parte da petição: Fiat voluntas tua -- a

segunda é mais sublime: Sicut in caelo, et in terra. -- Se tudo quanto acontece ou pode acontecer no mundo, por adverso,

por terrível, por lastimoso e triste que seja, nenhum abalo faz no céu, e não só se aceita lá sem dor, senão com igual e

constante alegria; o mesmo professamos nós, e para o mesmo nos oferecemos a Deus, se com verdade lhe dizemos que seja

feita a sua vontade assim na terra como no céu. Tanto assim, diz S. João Crisóstomo, que, por força destas palavras, nos

manda Cristo que antes de irmos ao -- céu tragamos o céu a nós, e façamos da terra céu: Antequam ad caelum

perveniatur, ipsam terram jussit fieri caelum, per hoc quod dicit; Fiat voluntas tua, sicut in caelo, et in terra (18). --

E por que não pareça este pensamento demasiadamente encarecido, ainda tenho em prova dele outro melhor autor e outro

melhor João que Crisóstomo. S. João Evangelista, no seu Apocalipse, diz que viu um céu novo e uma terra nova, e que a

cidade do céu descia à terra: Vidi caelum novum et terram novam, et sanctam civitatem Jerusalem novam

descendentem de caelo (19). Mas, como pode isto ser? Há Deus de mudar a arquitetura e fábrica do céu e da terra, e

trocar-lhes os lugares? Não, dizem todos os expositores, e o puderam provar do mesmo texto, porque, quando S. João viu

descer o céu à terra, não lhe chama céu, senão cidade : Vidi civitatem -- para mostrar que havia de descer, não localmente,

senão civilmente. Não localmente, porque o céu não havia de mudar de lugar passando à terra, mas civilmente, porque a

terra havia de mudar de costumes, vivendo-se na terra como no céu. E esta semelhança civil da terra com o céu em que

consiste? O mesmo evangelista o declarou: Et absterget Deus omnem lacrymam ab oculis eorum: et mors ultra non erit,

neque luctus, neque clamor, neque dolor erit ultra (20). Nesta cidade descida do céu à terra, ainda que haja trabalhos,

misérias, enfermidades, mortes, haver-se-ão contudo nela os homens como se nada disto lhes tocara, porque não haverá dor,

nem queixa, nem tristeza, nem lágrimas. E terra onde todas as causas de dor se recebem sem dor, e todas as causas de

tristeza, com alegria, já não é terra como terra, senão terra como céu: Sicut in caelo, et in terra. -- Tanta é a virtude da

vontade de Deus, quando a nossa se conforma com a sua: Fiat voluntas tua.

Agora, perguntara eu aos devotos do Rosário, ou aos que cuidam que o são, como rezam o Padre-nosso, e como dizem a

Deus: Fiat voluntas tua, sicut in caelo, et in terra? Primeiramente, se dizem isto os que não fazem a vontade de Deus nem

guardam sua lei, é falsidade, é hipocrisia, é mentira. Tão longe estão de fazer a vontade de Deus como se faz no céu, que

nem a fazem como se faz no inferno. No inferno também se faz a vontade de Deus, não por vontade, mas por força. E

quantos há que nem por vontade nem por força fazem a vontade de Deus na terra? Estes, se falaram verdade, haviam de

dizer a Deus: Faça-se a minha vontade, e não a vossa. Mas ainda aos timoratos, e que vivem cristãnente, fizera eu a

mesma-pergunta. Vos os que fazeis na terra a vontade de Deus, como o fazeis? Como a fazeis, digo, porque o que Cristo

principalmente nos ensinou no Padre-nosso, não é só fazer a sua vontade, senão o modo de a fazer: sicut. Se a fazeis por

temor da pena, e por não ir ao inferno, isso não é fazer a vontade de Deus -- sicut in caelo, et in terra -- porque no céu

não há temor do inferno. Se a fazeis pela esperança do prêmio, também não é fazer a vontade de Deus -- sicut in caelo et in

terra -- porque no céu não se espera o prêmio, já se possui. Se a fazeis, finalmente, só por ver a Deus, que parece ato mais

puro, nem esse chega a fazer a vontade de Deus como se faz no céu, porque lá todos vêem a Deus, e com segurança de o

ver eternamente. Pois, como havemos de fazer a vontade de Deus, para que seja feita assim na terra como no céu?

Havemo-la de fazer assim como diz Davi que a fazem os anjos : Benedicite Domino, omnes angeli ejus, potentes virtute,

facientes verbum illius, ad audiendam vocem sermonum ejus (21). Os anjos no céu fazem a vontade de Deus só por

fazer a vontade de Deus, sem outro fim, sem outro motivo, sem outro interesse. E porque este modo de fazer a vontade

divina não é impossível à vontade humana perfeitamente deliberada, por isso o mesmo Davi pedia a Deus o ensinasse a fazer

a sua vontade deste modo: Doce me facere voluntatem tuam, quia Deus meus es (S1 142, 10): Ensinai-me, Senhor, a

fazer a vossa vontade, só porque vós sois Deus meu e porque a vossa vontade é vossa. E este é o modo altíssimo com que

Cristo nos ensinou a dizer: Fiat voluntas tua, sicut in caelo, et in terra: não pedindo mais do que devemos pedir, mas

levantando a voz da nossa oração ao ponto mais subido onde pode chegar: Extollens vocem.

§ VI

Pedir a Deus o pão de cada dia não é afrontar a liberalidade de Deus? Em que parte do Padre-nosso se contêm as petições

das outras vaidades, que são as que mais oradores e devotos têm no mundo? Onde pedimos a Deus que nos livre de todo o

mal, ali oramos a Deus pelas riquezas, pelas dignidades, pela saúde, pela vida, pela sucessão. Pedir bem e pedir mal.

Desta maneira se contêm as pensões que fazemos a Deus no Rosário dentro dos limites do modo, sem o exceder por pedir

mais. Agora vejamos como também se não desviam dele em o não igualar por pedir menos. A petição que logo se segue é:

Panem nostrum quotidianum da nobis hodie (Lc. 11, 3): O pão nosso de cada dia nos dá hoje. -- Mas, assim da parte de

Deus, a quem pedimos, como da nossa, para quem pedimos, ninguém haverá que não julgue que diz esta petição muito

menos do que devera. Pedir a Deus o pão de um só dia, e no mesmo dia, antes parece que é afrontar a sua liberalidade que

acudir à nossa necessidade. A um Deus tão grande, tão poderoso, tão magnífico, a um Deus que se chama Deus, porque a

sua natureza é dar, não é presumir indignamente de sua liberalidade e grandeza pedir-lhe tão pouco? Assim pede um mendigo

às portas de um lavrador, mas tão baixa e tão escassa petição jamais a fez a seu rei o vassalo mais pobre. Se a nossa

necessidade, como supomos e dizemos, é de cada dia, e por isso chamamos cotidiano ao pão que pedimos, que remédio ou

que socorro é o que lhe procuramo s, pedindo só para hoje, e não para mais dias? Anoitecer hoje sem pão, porque se

acabou o pedido, e amanhecer amanhã sem pão, porque há de tornar a pedir, mais é viver da necessidade que sustentar a

vida. Até à ordem da caridade parece que faltamos nesta e nas outras petições do Padre-nosso. A caridade bem ordenada

começa de si mesmo, e em tudo quanto pedimos ninguém pede para si, senão para todos: Panem nostrum, debita nostra,

da nobis, dimitte nobis, ne nos inducas, tibera nos (22). Isto é enervar a eficácia da oração, porque, quem pretende para

si, procura com o afeto com que se ama a si, e a ninguém lhe dói tanto a dor de todos como a sua. Finalmente, para ver

quanto menos pedimos do que devêramos, consultemo s as petições sem-número de que estão importunados os altares, os

tribunais, os príncipes, e todos os que podem dar, das quais todas no Padre-nosso não se diz nem se ouve uma só palavra.

Logo, é coisa evidente, e sem dúvida, que muito menos pedimos a Deus nesta sua oração, do que fora dela havemos mister e

solicitamos por outras vias.

Contudo, é sentença comum de todos os doutores e santos padres que nenhuma coisa há que se possa pedir nem desejar a

qual se não contenha nas petições do Padre-nosso: Sapientissime in ea oratione collecta sunt omnia quae petenda et

appetenda sunt (23) -- diz Abulense, aquele doutíssimo e eminentíssimo expositor das Escrituras, em cujos imensos escritos

se não acha jamais exageração, senão o sentido próprio e liberal dos textos sagrados. O mesmo dizem Santo Tomás e S.

Boaventura, laureados ambos com o caráter de doutores da Igreja, e o mesmo disseram muitos séculos antes deles S.

Gregório Niceno, S. Cipriano, S. Pedro Crisólogo, Santo Agostinho, e antes do mesmo Agostinho, com toda a severidade

do seu juízo, o grande Tertuliano. Mas, perguntara eu a estes doutores -- que por isso aleguei tantos, e todos da primeira

jerarquia -- se nas petições do Padre-nosso se contém tudo o que se pode pedir e apetecem, onde estão no mesmo

Padre-nosso todas as outras coisas que os homens com tanto ardor apetecem, com tanto desvelo solicitam, e com tanta

instância e importunação pedem a Deus e aos homens? Não apetecem honras? Não apetecem riquezas? Não apetecem

dignidades seculares e eclesiásticas? Não apetecem a saúde, a vida, a sucessão, a posteridade, e tudo o que faz a vida

deleitosa, e a morte tolerável? E para alcançarem destas coisas, ou as que só pode dar Deus, ou as que podem dar Deus e

os homens, não metem por intercessores os santos que ajudem as orações com que as pedem, e os mesmos sacrifícios do

corpo de Cristo, que a esse fim oferecem? Em que parte, logo, do Padre-nosso se contêm as petições destas coisas, que são

as que mais oradores e mais devotos têm em todo o mundo?

Quem mais agudamente que todos apertou e resolveu este ponto, foi Santo Agostinho, o qual responde que, se oramos ou

rezamos como convém, todas estas coisas, que tanto apetecemos e pedimos, pertencem à última petição do Padre-nosso:

Sed libera nos a malo. -- Onde pedimos a Deus que nos livre de todo o mal, ali oramos a Deus por todas estas coisas (24).

Ouçamos ao lume da Igreja por suas próprias palavras: Qui dicit in oratione: Domine, multiplica divitias meas, aut da

mihi tantas quantas illi aut illi dedisti, aut honores meos auge, et fac me in hoc saeculo praepotentem, atque

clarentem, etc. puto eum non invenire in Oratione Dominica, quo possit haec vota coaptare: Aquele que pede na

oração riquezas, honras, dignidades, mandos, e outras semelhantes vaidades que o mundo estima e tem por lustrosas,

entendendo -- diz Santo Agostinho -- que em toda a oração do Padre-nosso não achará lugar em que possa acomodar e

introduzir estes seus desejos e petições; mas eu lho darei, diz o santo. E qual é? Quam ob rem pudeat saltem petere, quae

non pudet cupere: aut si hoc pudet, et cupiditate vincit, quanto melius hoc petitur, ut etiam ab hoc cupiditatis malo

liberet, cui dicimus: libera nos a malo: A primeira coisa que aconselho -- diz Agostinho -- aos que tais coisas pedem, é

que, pois se não envergonham de as desejar, ao menos se envergonhem de as pedir. Mas, se vencidos da cobiça e ambição

as querem pedir contudo, apliquem às suas mesmas petições a última do Padre-nosso: sed libera nos a malo -- e peçam a

Deus que os livre desse mal.

Oh! que mal conhecem os homens o mal, e quão erradamente o entendem! Pedem honras, e a honra foi a que enganou e

destruiu o primeiro homem, e nele a todos: Homo, cum in honore esset, non intellexit. Comparatus est jumentis

insipientibus, et similis factus est illis (25). Pedem riquezas, e quem perdeu ao filho pródigo pela prodigalidade, e ao rico

avarento pela avareza, e a todos pelo abuso delas? Por isso de todos, sem exceção, disse Cristo: Vae vobis divitibus (Lc.

6, 24): Ai de vós ricos! -- Pedem dignidades seculares e eclesiásticas, das quais, só pelas pedir, são indignos. E quem foram

os que condenaram e crucificaram ao mesmo Cristo, senão os que tinham as duas maiores dignidades eclesiásticas de

Jerusalém, Anás e Caifás, e as duas maiores seculares, Herodes e Pilatos? Pedem saúde, sem advertirem que a chamada

saúde é a mais perigosa enfermidade; e não sabem que o remédio com que Deus a cura, são as doenças, segundo o aforismo

do mesmo Médico divino, declarado na receita de Jesabel: Non vult poenitere a fornicatione sua: ecce mittam eam in

lectum (26). Pedem vida, sem reparar em que a felicidade da vida não está em ser larga, senão em ser boa, e que a vida é, e

não a morte, a que leva os homens ao inferno, devendo entender que a morte antecipada é sinal da predestinação, e que

costuma Deus encurtar aos que ama a vida temporal, porque lhes quer segurar a eterna: Raptus est, ne malitia mutaret

intellectum ejus. Placita enim erat Deo anima illius: propter hoc properavit educere illum de medio iniquitatum (27).

Pedem, finalmente, filhos e sucessão, e não se lembram que o primeiro filho de Adão foi Caim, e o primeiro de Jacó, Rúben,

e ambos a primeira causa de seus maiores desgostos. E para que vejam quão mal segura deixam a posteridade nestes reféns,

Absalão e Roboão foram os dois maiores inimigos que tiveram seus pais, porque um tirou a coroa a Davi, e outro destruiu a

casa de Salomão.

Assim que se não devem admirar, os que rezam o Rosário, de que Deus muitas vezes lhes não conceda o que pedem;

porque, cuidando que pedem bem, pedem mal. É sentença expressa de fé, ensinada e publicada ao mundo pelo apóstolo

S.Tiago: Petitis, et non accipitis, eo quod male petatis (Tg. 4, 3): Sabeis por que não alcançais o que pedis a Deus?

Porque vós pedis mal, e Deus não vos quer dar senão bem. -- E esta é a razão por que o mesmo Senhor no Padre-nosso

nos não ensinou a pedir nenhuma dessas coisas que vós apeteceis e pedis. Ainda que muitas delas sejam indiferentes,

pedidas, porém, com o fim para que ordinariamente se pedem, verdadeiramente são mal. E não era razão que pedíssemos a

Deus o mal, e muito menos na mesma oração em que lhe pedimos nos livre do mal. Por isso nos concede o que pedimos na

sua oração, e nos nega o que pedimos nas nossas. Se no Padre-nosso pedimos que nos livre do mal, e fora do Padre-nosso

pedimos o que verdadeiramente é mal e nos está mal, quem podia duvidar que, como Pai, nos há de conceder o que

pedimos por seu conselho, e não o que pedimos por nosso apetite? Peçamos, pois, o que ele nos manda pedir somente, e

não cuide ninguém que pede menos do que deve pedir, pois pede o que só lhe convém.

§ VII

Em pedir o pão de hoje somente, pedimos como filhos, pois ao pai pertence o cuidado do pão de amanhã. Assim como ao

pão semeado o afogam as espinhas, assim ao pão comido o não deixam digerir os cuidados. Como vemos no maná do

deserto, parece que é propriedade do pão do céu ser pão de hoje. Como há de dar todos os dias quem dá tudo em um dia?

Medir o pão com a vida. Por que chamou S. Paulo ao hoje sobrenome do homem? Os homens de hoje, os homens de

amanhã e os homens de nunca. A pobreza de Jó, advertência aos ricos. Última objeção: pedirmos para todos, e não cada um

para si. Ninguém pede melhor para si que quem pede para todos. Zacarias, quando orou para si, não mereceu alcançar o

que pedia, e quando orou para todos, mereceu alcançar o que não pedia. A oração de Abraão em favor de Sodoma e

Gomorra.

Em pedir o pão de hoje somente, posto que seja ou pareça tão pouco, também não pedimos menos do que requer a

necessidade de quem o há mister, nem a grandeza e liberalidade de quem o há de dar. Isto é pedirmos nós como filhos, e a

Deus como Pai. Ao sustento do filho pertence o presente, à providência do pai o futuro. Mais nos dá Deus no pão de cada

dia, que se no-lo dera para muitos dias, porque, dando-nos o sustento de hoje, nos livra do cuidado de amanhã. Não é

pensamento meu, senão advertência que nos fez o mesmo Cristo: Nolite soliciti esse in crastinum (Mt. 6, 34). Se vos

mando pedir só o pão de hoje, não vos dê cuidado o de amanhã, porque esse corre por minha conta. -- O pão e o cuidado

são duas coisas muito encontradas. O pão sustenta a vida: os cuidados a afligem, a diminuem, a tiram. E que partido pode

estar melhor ao homem, que dar-lhe Deus a ele o pão, e tomar para si o cuidado? Jacta super Dominum curam tuam, et

ipse te enutriet (28). Quer Deus que o pão nos saiba a pão, porque o que se come com cuidados tem outro sabor, e causa

muitos diferentes humores. Na parábola do semeador compara Cristo as espinhas aos cuidados, e diz que as espinhas que

nasceram juntamente com o trigo o afogaram: Et simul exortae spinae suffocaverunt illud (Lc. 8, 7). -- O que aconteceu

aqui ao trigo, lhe sucede também depois que é pão, porque a terra e o homem ambos são terra. O pão cria sangue, e as

espinhas tiram-no; e o pior é que o não deixam criar. Assim como o pão semeado o afogam as espinhas, assim ao pão

comido o não deixam digerir os cuidados. Por isso nos tira Cristo o cuidado quando nos dá o pão não só para que o

comamos, senão também para que nos preste. A causa natural de se nutrirem melhor e terem menos doenças os animais, é

porque comem sem cuidado. Assim o notou Plínio, o qual diz, no mesmo capítulo, que é coisa ridícula cuidarem os homens

que, sendo Deus sumamente superior, tenha cuidado deles: Irridendum vero agere curam rerum humanarum illud

quidquid est summum (29). Falou como gentio sem fé. Mas em nós, que a temos, e cremos o contrário, quem não terá por

verdadeiramente ridículo o cuidado com que fiamos mais do nosso que do de Deus? O sol nasce cada dia, e ninguém

desconfiou de que a sua luz se acabe hoje, porque sabe que há de tornar amanhã. Pois, assim como nos deitamos seguros à

noite, sem que nos tire o sono este cuidado, assim no-lo não deve tirar o anoitecer sem pão, porque o mesmo Deus, que

cada dia nos dá o sol, nos dará o pão cada dia.

Eu não nego que o mesmo nome de cada dia mais parece significar dieta que fartura. Mas quando os sujeitos são tão

enfermos como nós, não seria tão divina a Providência que nos dá o pão, se no-lo não medira ou receitara com tal regra, que

juntamente fosse alimento e mais medicamento. Quando choveu o maná do céu, mandou Deus por Moisés a todo o povo

que ninguém o recolhesse senão para aquele dia somente, nem o deixasse para outro: Nullus relinquat ex eo in mane (30).

-- Parece que é propriedade do pão do céu ser pão de hoje. Houve, contudo, alguns desobedientes que o guardaram para o

dia seguinte, e diz o texto sagrado que todo o guardado se corrompeu logo, e se converteu em bichos: Dimiserunt quidam

ex eis usque mane, et scatere coepit vermibus, atque computruit (31). -- O maná de sua natureza não era corruptível, ao

menos tão depressa. Prova-se do que guardou o mesmo Moisés na Arca do Testamento, o qual durou muitos séculos, e não

se sabe se dura e persevera ainda com a mesma Arca. Pois, por que ordenou Deus que o maná, contra sua própria natureza,

se corrompesse milagrosamente, e não durasse mais que doze horas, nem se pudesse guardar de um dia para o outro?

Porque a gente a quem se dava era incrédula, avarenta e ingrata, e todos estes vícios quis Deus curar nela com lhes dar o pão

para um só dia. Se sois incrédulos, crede que quem vos deu o pão hoje, também vo-lo dará amanhã. Se sois avarentos, e

vos parece pouco, e quereis mais do que podeis comer, contentai-vos com o que basta. E se sois ingratos, e não reconheceis

a mão de que recebeis o benefício, a mesma necessidade e dependência vos obrigará a que a beijeis muitas vezes, e por

força ou por vontade vos mostreis agradecidos.

Daqui tirou Santo Ambrósio um excelente documento para os príncipes que, prezando-se de liberais, desprezam a sua

mesma liberalidade, impossibilitando-se com ela para continuar: Modus liberalitatis tenendus est, ut quod bene facis,

quotidie facere possis, ne subtrahas necessitati, quod indulseris effusioni (32). Não hão de dar os reis tão prodigamente

hoje, que lhes não fique que dar amanhã. Como há de dar todos os dias, quem dá tudo em um dia? Cuidam que dando tudo

ganham a muitos, e perdem a todos, porque não há fé sem esperança, nem firmeza sem dependência, nem ainda amor tão

cego que não abra os olhos para o futuro. Por isso Deus, que é Senhor de tudo, dá com reserva, e para freio da nossa

sujeição nos põe a taxa na boca. Dá-nos o necessário, e não o supérfluo, porque nos quer bem mantidos, mas não

enfastiados. Até o demônio nunca farta aos que tenta, porque os tem mais seguros na fome que no fastio. A fome é desejo, o

fastio desprezo; e isto compra com o supérfluo quem dá mais do necessário. E bem verdade que, não dando Deus no maná

mais que o necessário para cada dia, os que o comiam contudo se enfastiaram dele: Nauseat anima nostra super cibo isto

(33). Mas aquele fastio não foi da natureza, foi da enfermidade. O doente até do necessário se enfastia. E em prova de ser

doença, e doença mortal, de três milhões de homens que saíram do Egito, e comeram o maná, só dois chegaram vivos à

Terra de Promissão.

Oh! se os homens medissem o pão com a vida, como é certo que lhes não pareceria pouco o pão de hoje! Sêneca tem por

infelizes os que não medem a sua fome com o seu estômago: Infelices qui non intelligitis vos majorem famem habere,

quam ventrem. -- E mais infelizes são ainda, e menos entendidos, os que não medem o seu pão com a sua vida. O pão de

hoje prometeu Deus a todos os que lho pedirem; a vida de hoje a ninguém a prometeu: De mane usque ad vesperam finies

me (34) -- dizia el-rei Ezequias. E se as vidas mais bem guardadas e mais bem mantidas podem acabar antes da noite,

também do pão de hoje lhes pode sobejar o da ceia. Esta foi a ignorância daquele néscio que, porque se achava com muitos

moios de pão, os media com muitos anos de vida: Anima mea, habes multa bona in annos plurimos: comede, bibe,

epulare (35). O pão seria para muitos anos, mas a vida era para tão poucos dias, que da noite em que isto sonhava não

chegou a ver amanhã: Stulte, hac nocte repetunt animam tuam a te (36). Disse S. Gregório Niceno, com tão discreta frase

como profundo juízo, que este néscio metera no mesmo celeiro o pão e mais os anos: Longos annorum ambitus spei

vanitate in horreis simul concludens (37). Se os anos, os dias, as horas não estão no palácio do sol (38), senão nos

tesouros de Deus, que importa que nos celeiros do homem se guarde mais pão que o de hoje? Não debalde, senão com

grande mistério, este mesmo instituto de que falamos se chama Rosário. Toda a vida ou idade da rosa não é mais que um dia:

Quam longa una dies aetas tam longa rosarum (39). A aurora lhe dá o berço, nascida e fresca; a noite a sepultura,

murcha e seca. De sorte que quando no Padre-nosso repetidamente, e por partes, pedimos o pão de hoje, todo o Rosário

nos está pregando que de hoje a amanhã se pode acabar a vida. Logo, para a vida que é de hoje, e esse hoje ainda incerto,

bem lhe basta o pão de hoje.

Altissimamente exortava S. Paulo aos cristãos primitivos que se aproveitassem da vida enquanto tinham o sobrenome de

hoje: Donec hodie cognominatur, ut non obduretur quis ex vobis (40). E por que chamou S. Paulo ao hoje sobrenome de

homem: Donec hodie cognominatur? -- Porque o nome do homem é mortal, e nenhum mortal, quando vivo, pode ter outro

sobrenome. O sobrenome de Dias até no Cide foi impróprio, porque contra a morte não há valor. Todos os outros apelidos

são falsos, só o de hoje é verdadeiro. Hoje somos, amanhã pode ser que não: Sera dies nimis est crastina; vive hodie (41)

-- disse, mais cristãmente do que nós o entendemos, o poeta gentio. Há homens de hoje, homens de amanhã e homens de

nunca. E quais são os de nunca? Os de amanhã? É sutilíssima advertência de Santo Agostinho. Porque quando chega o dia

de amanhã, já não e amanhã: é hoje. E se os que somos ou nos prezamos de ser homens devemos ser homens de hoje, por

que nos não contentaremos com o pão de hoje, e por que cuidaremos que pedimos menos do que devemos pedir, quando

dizemos a Deus: Panem nostrum quotidianum da nobis hodie?

Mas esta petição -- dirão os ricos -- é só para os pobres, e não para nós, que temos pão para muitos dias, e para todos, e

não só para uma vida, senão para muitas: para a nossa, e para as de nossos descendentes. Só lhes falta dizer que Cristo não

advertiu nisto quando ensinou a todos o pedir o pão de hoje. Esse mesmo pão que tendes, ou cuidais que tendes, se Deus

vo-lo não der hoje, não o tereis. Em um dia perdeu Dario a monarquia dos persas; em uma noite perdeu Baltasar a dos

assírios, em uma hora perdeu Jó os gados, os escravos, as searas, a casa, os filhos, e, sendo o mais rico entre todos os do

Oriente, ficou tão pobre, não como outro, senão como o mesmo Jó, exemplo não só da maior pobreza, mas da última

miséria. E se Deus em cada hora deste mesmo dia vos pode tirar quanto tendes, justiça tem para vos mandar que lhe peçais

o pão de hoje. Por isso lhe pedimos que nos dê o pão nosso: Panem nostrum. Pois, se é nosso, e ele no-lo deu já, por que

lho havemos de tornar a pedir? Porque não só o pão que não tendes, senão o que tendes, não o tereis nem será vosso se ele

vo-lo não der hoje. Assim como Deus em todos os momentos nos está dando o ser, assim em todos nos está dando o

comer; e é excesso de favor e liberalidade contentar-se que lhe peçamos para todo o dia o que ele nos está dando e nos lhe

devemos pedir todos os momentos. Não pedimos, logo, menos do que devíamos, senão muito mais do que devemos.

Só resta a objeção de pedirmos para todos e não cada um para si. Mas este é o mais sublime modo de pedir, e o mais certo

de alcançar. Ninguém pede melhor para si que quem pede para todos. Entrou o sacerdote Zacarias no Templo a orar e

oferecer o incenso à hora costumada, quando lhe apareceu à mão direita do altar o Anjo Gabriel, e lhe disse da parte de

Deus que a sua oração fora ouvida, e lhe nasceria um filho, que foi o Batista: Exaudita est deprecatio tua, et uxor tua

Elisabeth pariet tibi filium (42). -- Não há santo antigo nem expositor moderno que não repare na coerência deste texto. A

oração que naquela hora fez Zacarias não era particular, senão pública, pelo bem comum de todo o povo, o qual também

acompanhava a mesma oração com as suas: Et omnis multitudo populi erat orans foris (43). -- Pois, se Zacarias nesta

oração não orava por si, senão por todos, e não pedia para si filho, senão para todo o povo o bem universal dele, como lhe

diz o anjo que fora ouvida a sua petição, prometendo-lhe aquilo que não tinha pedido? Respondem graves autores que,

posto que Zacarias, quando agora orou, não pedisse a Deus sucessão -- da qual pela sua velhice e pela esterilidade de sua

mulher estava tão desesperado, que ainda depois de prometida ficou incrédulo, e em pena da incredulidade mudo -- contudo

que antigamente, quando ambos estavam em idade de ter filhos, então o pedira a Deus, e esta antiga oração é a que agora foi

ouvida. Mas, se esta mesma oração -- torna a dúvida com maior força -- se esta mesma oração não foi ouvida nem

despachada então, por que foi ouvida e outorgada agora? Porque agora orava Zacarias para todos, então orava para si; e o

que não conseguiu nem mereceu quando orava para si, agora o mereceu e alcançou, porque pedia para todos. Onde se deve

notar e reparar muito que o que agora alcançou não o pediu agora. De sorte que, quando orava para si, não mereceu

alcançar o que pedia, e quando orava para todos, mereceu alcançar o que não pedia, porque então pedia filho, e agora não.

Tanto melhor e mais eficaz oração é, como Cristo nos ensina, o pedirmos para todos, que cada um para si.

Mais digo. Monta tanto diante de Deus o pedir para todos, que ainda quando Deus nos nega o que pedimos para todos, nos

concede o que não pedimos para nós. Pede Abraão a Deus, não com uma nem com duas, senão com muitas e importunas

instâncias que perdoe às cinco cidades de Sodoma e Gomorra, mas não o conseguiu. Chove fogo do céu, abrasam-se as

cidades; e que fizeram os anjos executores desta justiça? Tomam pela mão a Ló, sobrinho de Abraão, e assim a ele como a

toda a sua família o livraram do incêndio. E Abraão, porventura, tinha orado por Ló? Não se lê tal oração na Escritura,

referindo-se miudissimamente todas as outras. Pois, se Deus não livrou as cidades pelas quais intercedeu e orou Abraão, por

que livra o sobrinho de Abraão, pelo qual não orou nem intercedeu? Porque, ainda quando Deus nos nega o que pedimos

para todos, nos concede, no mesmo caso, o que não pedimos para nós. Advertidamente Oleastro: Non legimus Abraham

pro nepote orasse, et legimus Deum ejus gratia illum ab incendio liberasse (44). Foi tão agradável e tão aceita a Deus a

oração que Abraão fez por todos, que ainda quando negou à sua oração o que pediu para todos, lhe concedeu sem oração o

que não pediu para si. -- Altíssimo é, logo, assim nesta petição como nas outras, este modo de pedir, e altíssima em todas as

do Rosário a voz com que sempre assim pedimos: Extollens vocem.

§ VIII

Última consideração do discurso: a intercessão de que nos valemos, que é a da Virgem Senhora Nossa. O mais alto e mais

nobre modo de pedir: pedir não pedindo. Como oraram as duas mais ensinadas discípulas de Cristo, Marta e Maria? À

Virgem pedimos que peça, mas não dizemos o que há de pedir, e esta é a maior delicadeza e perfeição de orar. A oração de

São Domingos Reginaldo. O que faz quem não só pede, mas pede o que quer. Se a soberania da Mãe de Deus é tão grande

que pode mandar, por que lhe não pedimos que mande, senão que peça e rogue? Os deuses não os faz quem lhes fabrica as

imagens, senão quem os roga. Cristo, gerado por Maria, recebeu dela a humanidade; rogado por Maria, recebe dela,

enquanto intercessora nossa, a divindade.

Sempre chego tarde à terceira e última consideração do discurso. Mas, como a matéria é tão grande, mais queixosa a

imagino do muito que deixei de dizer, e pudera, que da largueza do que disse, poupando sempre palavras quanto me foi

possível. Considera esta terceira parte a intercessão de que nos valemos, que é a da Virgem, Senhora nossa, cujo

poderosíssimo patrocínio tantas vezes imploramos quantas repetimos no Rosário Ave-Maria. Mas, se na oração do

Padre-nosso pareceu que excedemos o modo de pedir, ou pedindo mais ou menos do que devíamos, na da Ave-Maria, que

é tão diversa, quem não dirá que totalmente perdemos ou encontramos o mesmo modo, pois nenhuma coisa pedimos? O que

só dizemos na Ave-Maria à Mãe de Deus, é que rogue por nós: Sancta Maria Mater Dei, ora pro nobis. Pedimos-lhe que

peça, mas não dizemos o que há de pedir: logo, não pedimos nada.

Primeiramente respondo que não há mais nobre nem mais alto modo de pedir, que não pedindo. Marta e Maria amavam

muito a Lázaro, e desejavam muito de o tornar a ver vivo, e criam que Cristo o podia ressuscitar; pois, por que não pediram

ao Senhor que o ressuscitasse? Porque sabiam, como nobres e ilustres que eram, que o mais cortês modo de pedir é não

pedindo. Assim responde por elas S. Bernardo, depois de as argüir: Si fratrem vestrum amatis, cur ejus misericordiam

non flagitatis, de cujus potentia dubitare, pietate diffidere non potestis? Respondent: sic melius tanquam non orantes

oramus (45). Se amais a vosso irmão, e não podeis duvidar do poder nem desconfiar do amor de Cristo, por que não pedis

por ele? Mas a isto respondem -- diz o santo -- que assim pedem, e pelo melhor modo porque pedir não pedindo é o melhor

modo de pedir: Sic melius tanquam non orantes oramus. -- Assim oraram então as duas mais bem ensinadas discípulas de

Cristo, e assim oramos nós também no Rosário, que a escola de sua Mãe é a mesma. Repetindo tantas vezes a Ave-Maria,

nenhuma coisa representamos à Virgem Santíssima, nem de necessidade, nem de remédio, nem de favor, ou que nós

peçamos, ou que a mesma Senhora haja de pedir por nós; mas, quando assim oramos sem pedir, então oramos melhor, por

que não pedimos: Sic melius tanquam non orantes oramus.

A razão é porque, orando assim, oramos à Mãe de Deus pelo mesmo modo com que devemos orar a Deus. A Deus -- dizia

o oráculo da filosofia, Sócrates -- não se há de pedir coisa alguma determinadamente, porque ele sabe melhor o que há de

dar do que nós o que devemos pedir: Te totum caelestium arbitrio permitte, quia qui tribuere bona ex facili solent,

etiam eligere aptissime possunt. -- Não só há de ser de Deus o dar, senão também o eleger. Em esperar dele a mercê

supomos a sua liberalidade; em a deixar na sua eleição honramos a sua sabedoria. E assim fazemos quando oramos à Mãe

de Deus. Pedimos que peça, mas não dizemos o que há de pedir, para que, assim como a intercessão há de ser sua, seja

também sua a eleição. Desejava entrar na ordem de S. Domingos Reginaldo, deão da catedral de Orleãs e famoso

catedrático da Universidade de Paris, quando caiu mortalmente enfermo. Não cessava, porém, o santo patriarca, e toda a

ordem, de rezar o Rosário por esta tenção, quando, na última desconfiança da enfermidade, apareceu a soberana Rainha dos

Anjos no mesmo aposento do enfermo, e disse a Reginaldo que pedisse o que quisesse, porque ali estava em pessoa, e tudo

lhe seria concedido. Suspenso, tanto da visão como da promessa, ficou atalhado o grande doutor, não se sabendo resolver

no que pediria; porém, Santa Cecília e Santa Catarina, que de um e outro lado acompanhavam a Senhora, aconselharam ao

enfermo que nenhuma coisa pedisse, e que todo se pusesse em suas mãos. Fê-lo assim Reginaldo, dizendo: -- Soberana

Rainha do céu, o que Vossa Majestade for servida de mim isso é o que só quero, e nas mãos de vossa bondade e clemência,

com toda a reverência e humildade me ponho todo. Então as duas virgens, que não só como as prudentes do Evangelho

deram o conselho, senão também o óleo, presentaram de joelhos à Senhora duas redomas em que o traziam, e a

piedosíssima Mãe de Deus, ungindo o enfermo com as mesmas mãos em que ele se, tinha posto, não só o livrou da morte

que aguardava por instantes, mas, no mesmo momento o restituiu à inteira saúde e forças, que é o que naquele estado pudera

desejar e pedir, mas não pedira. Não foi excelente modo este de pedir não pedindo? Pois, isto é o que tantas vezes --

fazemos no Rosário em cada Ave-Maria que rezamos.

Pedir por este primoroso modo, não só é pedir sem pedir, mas é pedir e juntamente dar. E pedir, porque pedimos a

intercessão, e é dar, porque damos a eleição. Na intercessão que pedimos, reconhecemos na Mãe de Deus a sua dignidade;

na eleição que demitimos de nós, renunciamos na mesma Senhora a nossa vontade. No Padre-nosso pedimos a Deus o que

ele quer que peçamos; na Ave-Maria pedimos à Mãe de Deus o que ela quiser pedir. E este é o maior primor, a maior

cortesia, e a maior delicadeza e perfeição de orar. E por que? Ensinou-o maravilhosamente meu santo patriarca Inácio

naquela sua famosa Epístola aos Portugueses, que, em gênero de espírito, é uma das maiores coisas que se tem escrito na

Igreja. A razão é -- diz o santo -- porque quem pede o que quer prefere-se por uma parte, ainda que se sujeita por outra.

Em pedir, sujeita-se, porque o pedir é ato de sujeição; mas, em declarar o que quer, prefere-se, porque o próprio querer é

ato de liberdade e de preferência. -- Tanto assim -- diz profundamente S. Bernardo, alegado pelo mesmo santo -- que,

quando o súdito consegue do prelado o que quer, não é o súdito o que obedece ao prelado, senão o prelado o que obedece

ao súdito: Nec enim in ea re ipse praelato, sed magis ei praelatus obedit. -- Em pedir, sujeita-se ele ao prelado, mas em

pedir o que quer, quer que o prelado se sujeite a ele, e assim o consegue. De sorte que o mesmo pedir por tal modo é pedir

e mandar juntamente. Daqui se entenderá a propriedade com que fala a Escritura, quando diz que obedeceu Deus à voz de

Josué: Obediente Domino voci hominis (46). -- Obediência supõe mandado de uma parte e sujeição da outra; pois, como

podia ser que Deus obedecesse a um homem? Porque Josué, como consta do texto, pediu e mandou juntamente: Locutus

est Josue Domino, dixitque: Sol contra Gabaon ne movearis (47). E como Josué pediu mandando, enquanto pediu,

concedeu-lhe Deus o que pedia, enquanto mandou, obedeceu ao que mandava. Isto é o que faz quem não só pede, mas

pede o que quer. Logo, para pedir com a maior cortesia, com o maior primor e com a maior perfeição, não se há de declarar

em nada a própria vontade, mas sujeitar-se em tudo e por tudo a quem pede, e à sua disposição e arbítrio, como nós

fazemos ao da Mãe de Deus.

Excelente lugar de Davi: Subditus esto Domino, et ora eum (Sl. 36, 7): Fazei-vos súdito de Deus, e então orai. -- Pois,

quem ora e pede a Deus, não se sujeita a ele? Distingo. Se pede o que quer, sujeita-se em parte, e no tal caso não é perfeito

súdito, porque usa da sua liberdade; porém, se pede, e não diz o que quer, então se sujeita inteiramente, e se faz perfeito

súdito de Deus, porque renuncia nele à sua vontade. O mesmo texto o declara, com bem advertido reparo de Hugo

Victorino: Propterea non dixit tibi, ora eum hoc, vel illud, sed tantum ora eum (48). Notai o que diz e o que não diz o

profeta. Não diz que oremos e peçamos a Deus isto ou aquilo, mas só diz que oremos e que peçamos, porque este é só o

modo de orar e pedir como súdito: Subditus esto Domino, et ora eum. -- E que mais? A conseqüência é digna de tão

grande autor, e em próprios termos a nossa: Cum ergo oras, quem petas potius quam quid petas cogitare tibi dulce sit:

Logo, todo o nosso cuidado quando oramos há de ser pôr os olhos em a quem pedimos, e não no que pedimos: Quem

petas potius quam quid petas. -- E isto é ,o que faz a nossa oração todas às vezes que repete no Rosário: Mater Dei, ora

pro nobis. -- Olha só para a soberana intercessora, a quem pede, mas não tem olhos para ver o que há de pedir, porque

seria grande desprimor nosso, e menos reverência da suprema majestade da Mãe de Deus, não deixar tudo à sua

providência, e ao seu arbítrio. Por isso pedimos que peça por nós, e não o que há de pedir.

Mas, em dizermos que peça, parece que também trocamos um modo por outro, e deixamos o de maior dignidade pelo

menos digno. A dignidade da Mãe de Deus é tão soberana que, ainda em respeito do mesmo Deus, como Mãe a Filho, não

só pode alcançar quanto pedir, senão mandar o que quiser. Assim o pronunciam expressamente muitos dos Santos Padres, e

é já tão vulgar esta grande suposição entre os doutores, que não necessita de autoridades a prova dela. Pois, se a soberania

da Mãe de Deus é tão poderosa que pode mandar, por que lhe não pedimos que mande, senão que peça e rogue: roga por

nós? Também esta circunstância de orar é novo modo de primor com que mais nos empenhamos a estimar toda a mercê e

favor que, por intercessão da mesma Senhora, alcançarmos. Toda a mercê pedida por quem a pode dar, ainda que tenha

igual preço dada, merece maior estimação por pedida. Já vimos o primeiro primor de Marta e Maria, em não quererem pedir

a ressurreição de Lázaro. Acrescentou, porém, Marta que ela sabia muito bem que tudo o que Cristo pedisse a Deus lho

havia de conceder: Et nunc scio quia quaecumque poposceris a Deo, dabit tibi Deus (49). E como o Senhor replicasse

que ele era a vida e a ressurreição, e lhe perguntasse se o cria assim: Credis hoc? -- respondeu Marta que tempo havia que

tinha crido que o mesmo Cristo era Filho de Deus: Utique, Domine, ego credidi, quia tu es Cristus, Filius Dei vivi (50):

Pois, se Marta sabia que Cristo era Deus, e como Deus podia dar a vida a seu irmão, por que não alega que lha podia dar

como Deus, senão que a podia pedir a Deus como homem? Porque era muito maior favor neste caso o pedir que o dar, e

ficava muito mais autorizada a mesma ressurreição como pedida que como dada. Assim o fez o Senhor. Primeiro orou

publicamente -- o que não tinha feito nas outras ressurreições -- e depois ressuscitou a Lázaro, porque, como o amavas tanto

que lhe tinham custado lágrimas, quis que fosse dobradamente autorizada a sua ressurreição, não só como dada por ele, mas

como pedida: In speciem precantis compositus rebus ipsis authoritate manifestat (51) -- diz S. Basílio de Selêucia.

Esta é a primeira razão por que no Rosário pedimos à Mãe de Deus, não que dê, senão que peça, e não que mande, senão

que rogue, para lhe devermos mais a estimação desta circunstância. A segunda ainda é muito mais alta, e de maior fundo.

Pedimos à Senhora que rogue quando lhe chamamos Mãe de Deus: Santa Maria Mãe de Deus, roga por nós -- porque, se

Maria, gerando a Cristo, deu a Deus o ser humano, rogando-o, dá-lhe o divino, quanto pode dar a criatura. Ora, notai. Se há

coisa que de algum modo possa dar divindade, não é outra senão o rogar. Quis Nabucodonosor ser Deus de todo o mundo,

e que não houvesse outro Deus senão ele; e o meio que tomou para estabelecer a sua divindade foi mandar, por um decreto

universal, que só a ele pudessem rogar os homens, e a nenhum outro: Numquid non constituisti ut omnis homo qui rogaret

quemquam de diis et hominibus, nisi te, rex mitteretur in lacum leonum (52)? Assim o mandou aquele potente rei, e

assim lho aconselharam os maiores sábios de sua monarquia, entendendo uns e outros que só o ser rogado lhe podia conciliar

o ser Deus. Queria ser Deus e só: para ser Deus, roguem-no todos; para ser só, ninguém rogue a outro: Ut non rogare

quemquam, nisi te, rex. -- Este foi o pensamento -- e pode ser que tomado daqui -- com que disse discretamente o poeta

que os deuses não os faz quem lhes fabrica as imagens ou lhes levanta os altares, senão quem os roga: Non facit ille deos,

qui rogat ille facit (53). -- Os deuses dos gentios eram de pau, ou de pedra, ou de metal, obras das mãos dos homens,

como diz o profeta; e quem os fazia deuses? Não os faziam deuses os escultores, senão os rogadores. Quando esculpidos,

quando lavrados, quando formados, ainda eram paus e pedras; mas quando rogados, então começavam a ser deuses: Deos

qui rogat ille facit.

Grande lugar de Minúcio Feliz, naquela famosa apologia sua em nome de Otávio: Ecce funditur, fabricatur, sculpitur:

nondum deus est. Ecce plumbatur, construitur, erigitur: nec adhuc deus est. Ecce ornatur, consecratur, oratur: tunc

postremo deus est (54): Toma o escultor o metal nas mãos, derrete-o, funde-o, lança-o nos moldes, dá-lhe forma: é já

deus? Ainda não: Nondum deus est. -- Tira-o fora já formado, compõe-lhe os membros, distingue-lhe as feições com toda a

arte, e limado, e polido, e chumbado, para que se tenha em pé, erguido, e direito; é já deus? Nem ainda agora: Nec adhuc

deus est. -- Orna-o, consagra-o, faz-lhe oração: é já deus? Agora sim. Oratur: tunc postremo deus est. -- Quando é

orado e rogado, então é Deus. Dai-me licença, Virgem Santíssima do Rosário, para que destas estátuas sem ser vos forme e

levante uma. Posto que vosso benditíssimo Filho sempre foi Deus verdadeiro, em todos os mistérios do Rosário pode

parecer só homem; mas quando vós chegais a lhe rogar por nós, ninguém pode negar que é Deus. Humanado Cristo,

nascido, presentado, perdido e achado no Templo, poderá dizer quem o não conhece: Nondum deus est. -- Suando sangue,

atado à coluna, coroado de espinhos, carregado com a sua cruz e pregado nela, e também ressuscitado e subido ao céu,

ainda poderá persistir no mesmo: Nec adhuc deus est. -- Porém, vendo que vós, Senhora, sendo quem sois, o rogais, assim

como até agora lhe confessava o ser humano, já lhe não pode negar o divino. Fá-lo com toda a corte do céu.

Aclamava a Cristo toda a corte do céu, anjos e santos, em figura de Cordeiro e ouviu S. João no seu Apocalipse, que todos

a uma voz diziam assim: Dignus est Agnus, qui occisus est, accipere virtutem et divinitatem (Apc. 5, 12): Digno é o

Cordeiro que se sacrificou pelo gênero humano, de receber o poder e a divindade. -- Parece que não concorda esta

Teologia do céu com a nossa. Cristo, que é o Cordeiro desde o instante de sua Encarnação, recebeu a divindade, porque

sempre foi Deus: nem então se pode dizer que foi digno de receber a mesma divindade, porque a união da humanidade ao

Verbo nem a mereceu, nem a pôde merecer. Pois se já tinha e sempre teve a divindade, e sem merecimento próprio, por que

diz agora a uma voz todo o céu que é digno de a receber: Dignus est Agnus accipere divinitatem? -- E se a recebeu outra

vez depois de já recebida, que novo modo de receber a divindade foi este? Respondem todos os teólogos e expositores que

o modo de a receber outra vez foi o reconhecimento, o conceito e a voz universal de todos os homens e anjos, que com

aqueles aplausos o confessavam. Logo, muito mais e muito melhor recebe Cristo a divindade sendo rogado só de sua Mãe

que sendo reconhecido e aclamado de toda a corte do céu. É conseqüência manifesta, porque a maior majestade e a maior

soberania que há no céu e na terra, abaixo de Deus é a pessoa de Maria. Logo, aquele a quem Maria roga não pode ser

senão Deus. E se o ser Cristo reconhecido e aclamado como Deus, pelos obséquios e aplausos de toda a corte do céu, é

novo modo de receber a divindade: Accipere divinitatem -- muito mais alta e majestosamente recebe Cristo a mesma

divindade quando é rogado por Maria, porque Maria, e a sua autoridade, excede muito a de toda a corte do céu. E daqui se

fica concluindo com a mesma evidência o que eu dizia: que se gerado Cristo por Maria recebeu dela, enquanto Mãe sua, a

humanidade, também rogado por Maria recebe dela, enquanto intercessora nossa, a divindade. Enquanto Mãe, porque o

gerou; enquanto intercessora, porque o roga. Vede agora, e julguem todos, se é alto e mais que altíssimo este modo de pedir,

e quanto se levanta neste ponto sobre si mesma a voz altíssima do Rosário: Extollens vocem.

§ IX

Última recomendação aos devotos da Senhora do Rosário.

Tenho acabado o meu discurso, e por última recomendação do que fica dito, só peço aos devotos da Senhora do Rosário

não deixem de advertir nele quão necessária nos é a todos a intercessão da mesma Senhora. Basta que nos seja tão

necessário como o pão para a boca? Pois advirtam que ainda é maior a necessidade que dela temos, e nós mesmos o

confessamos em uma e outra oração do Rosário, porventura sem o advertir. No Padre-nosso pedimos o pão para cada dia:

Panem nostrum quotidianum; na Ave-Maria pedimos a intercessão da Senhora para cada hora e para cada instante: Nunc,

et in hora mortis nostrae. -- O nunc significa instante; a hora da morte é e pode ser cada hora. E se o pão o pedimos para

cada dia, e a intercessão da Senhora para cada hora e para cada instante, não haja hora nem instante no dia em que não

digamos de todo o coração à poderosíssima Mãe de Deus e nossa: Sancta Maria, Mater Dei, ora pro nobis peccatoribus,

nunc, et in hora mortis nostrae. Amen.

(1) Uma mulher, levantando a voz no meio do povo (Lc 11, 27).

(2) Levantai, ó príncipes, as vossas portas (Sl 23, 7).

(3) Oxalá romperas tu os céus, e desceras de lá (Sl 64, 1).

(4) Aug. epist. ad Demetriadem

(5) Aug. in Psal, 118, conc. 4.

(6) Chrysol. de Fil. Prodig. et frugi serm 2.

(7) D. Chrysost. citatus ab Abulensi et Hugone hic.

(8) A ninguém chameis pai vosso sobre a terra, porque um só é vosso Pai, que está nos céus (Mt 23, 9).

(9) E vós todos sois irmãos (Mt 23, 8).

(10) Paschas. in exposit. Orat. Dominic.

(11) D. Chrysost. in exposit. Orat. Domin.

(12) Se dissermos que estamos sem pecado, nós mesmos nos enganamos, e não há verdade em nós (1 Jo 1, 8).

(13) Quantas coisas quis, todas fez o Senhor, no céu e na terra (Sl 134, 6).

(14) D. Bernard. Serm. 6, in Quadrages.

(15) Qual é a vontade de Deus, boa, e agradável, e perfeita (Rom 12, 2).

(16) Achei um homem segundo o meu coração, que fará todas as minhas vontades (At 13, 22).

(17) Mas cumpra-se o que for vontade de Deus no céu (1 Mac 3, 60)

(18) D. Chrysost. homil. 20 in Matt.

(19) Vi um céu novo e uma terra nova, e a cidade santa, a Jerusalém nova, que descia do céu (Apc 21, 1 s).

(20) E Deus lhes enxugará todas as lágrimas de seus olhos, e não haverá mais morte, nem haverá mais choro, nem mais

gritos, nem mais dor (ibid. 4).

(21) Bendizei ao Senhor todos os anjos dele, poderosos em virtude, que sois executores da sua palavra, para obedecer à

voz das suas ordens (Sl 102, 20).

(22) O pão nosso, as nossas dívidas, dá-nos, perdoa-nos, não nos deixes, livra-nos (Mt 6, 11 ss).

(23) Abulens. in Matth. 6, 11.

(24) August. ad Probam. Orat. Ep. 121.

(25) O homem, quando estava na honra, não o entendeu; foi comparado aos brutos irracionais, e se fêz semelhante a eles (Sl

48, 21).

(26) Não quer arrepender-se da sua prostituição. Eis aí a reduzirei a uma cama (Apc 2, 21 s).

(27) Foi arrebatado para que a malícia lhe não mudasse o modo de pensar. Porque a sua alma era agradavél a Deus, por

isso ele se apressou a tirá-lo do meio das iniqüidades (Sab 4, 11. 14).

(28) Lança sobre o Senhor o teu cuidado, e ele te sustentará (Sl 58, 23).

(29) Plinius, Hist. Natural. lib I, cap. 7.

(30) Nenhum deixe dele para outro dia pela manhã (Êx 16, 19).

(31) Tendo alguns deles guardado do maná para outro dia, ele começou a ferver em bichos, e apodreceu (ibid. 20)

(32) D. Ambros. lib. 2 Officior. cap. 16.

(33) A nossa alma se enfastia já deste manjar (Núm 21, 5).

(34) Desde a manhã até à tarde tu me acabarás (Is 38, 13).

(35) Alma minha, tu tens muitos bens em depósito para largos anos: come, bebe, regala-te (Lc 12, 19).

(36) Néscio, esta noite virão demandar a tua alma (ibid. 20).

(37) Gregorius Nissenus, de Orat. Domin. Orat. 4.

(38) Ovid. Metam. lib. 2.

(39) Virgil. in Rosa.

(40) Durante o tempo que a Escritura chama hoje, para não acontecer que algum de vós caia na obduração (Hebr 3, 13).

(41) Martialis.

(42) Foi ouvida a tua oração, e Isabel, tua mulher te parirá um filho (Lc 1, 13).

(43) E estava toda a multidão do povo fazendo oração da parte de fora (ibid. 10).

(44) Oleast. in cap. Genes. 19.

(45) D. Bernardus de Grad. Humilit.

(46) Obedecendo o Senhor à voz de um homem (Jos 10, 14).

(47) Falou Josué ao Senhor, e disse: Sol detém-te sobre Gabaon (ibid. 12).

(48) Hugo Victor. in annotat. ejusdem Psal.

(49) Mas também sei agora que tudo o que pedires a Deus, Deus to concederá (Jo 11, 22).

(50) Sim, Senhor, eu já estou na crença de que tu és o Cristo, Filho de Deus vivo (ibid. 27).

(51) S. Basil. Seleuc. Orat. 42.

(52) Não ordenaste tu que todo o homem que fizesse oração a qualquer dos deuses, ou dos homens, que não fosses tu,

fosse lançado no lago dos leões (Dan 6, 12) ?

(53) Ovidius.

(54) Minutius in Octavio.

NUPILL - Núcleo de Pesquisas em Informática, Literatura e Lingüística

Nenhum comentário:

Postar um comentário