Pesquisar este blog

sábado, 13 de agosto de 2011

MARTÍRIO DE SÃO POLICARPO DE ESMIRNA

Por Roque Frangiotti

Fonte: Padres Apostólicos, Volume I, Coleção Patrística. Ed. Paulus

Por volta do ano 400, um autor anônimo se faz passar pelo sacerdote Piônio de ESmirna (morto em 250), escreve uma vida de Policarpo. Embora totalmente lendário, insere nela o texto completo, autêntico, da carta da Igreja de Esmirna endereçada à Igreja de Filomélio, relatando o martírio de Policarpo.

Trata-se de um texto, no gênero literário epistolar, escrito logo depois da morte de Policarpo (+- 150 d.C), endereçado à Igreja de Filomélio. Este é o primeiro texto cristão que descreve o martírio, e também o primeiro a usar este título de "mártir" para designar um cristão morto pela fé. O texto parece ter sofrido influências de narrações semelhantes do judaísmo de II e III Macabeus. Por sua vez, influenciou o desenvolvimento deste gênero literário entre os cristãos, o que fez Renan declarar: "Este belo trecho constitui o mais antigo exemplo conhecido das Atas de martírio. Foi o modelo que se imitou e que forneceu a marcha e as partes essenciais destas espécies de composições"1.

De fato, parece ser um texto tão importante que leva J. Lebreton a afirmar: "O historiador das origens da religião cristã não poderia desejar um texto mais autorizado"2. H. Delehaye destaca o valor histórico deste documento afirmando: "É o mais antigo documento hagiográfico que possuímos e não há uma só voz para dizer que existe outro mais belo. Basta relê-lo e pesar cada frase para se persuadir de que esta narração é a que pretende ser a relação de um contemporâneo que conheceu o mártir, o viu no meio das chamas, tocou com suas mãos os restos do santo corpo"3.

É o segundo texto mais antigo que se verifica o uso da expressão "Igreja católica" pelos cristãos primitivos. O Capítulo 20 nos informa que esta "narração sumária" foi redigida por certo Marcião, um irmão da igreja de Esmirna. O copista que transcreveu a carta foi Evaristo. É de fato, um sumário, se se pensa nos onze mártires que precederam Policarpo.

1Renan, L'Églesie chrétienne, Paris, 1879, p.492

2J. Lebreton, Histoire du dogme de la Trinité, t. II, Paris, 1928, p.200.

3Les passiones des martyrs et les genres littéraires, Bruxelas, 1922, p.12-13.

Nenhum comentário:

Postar um comentário